Ministério Público trava prescrição de processos ligados ao BES

  • ECO
  • 14 Janeiro 2020

Dois inquéritos que resultaram de clientes lesados do antigo BES foram autonomizados e considerados prioritários, porque iriam prescrever em meados de março deste ano.

O Ministério Público (MP) ter-se-á visto obrigado a tomar medidas para evitar a prescrição de dois inquéritos ligados ao antigo Banco Espírito Santo (BES). Estes processos, desencadeados por queixas de clientes, estavam perto da data de prescrição, pelo que foram autonomizados do processo principal e considerados prioritários, noticia o Correio da Manhã (acesso condicionado).

Os dois inquéritos estão relacionados com investimentos que os clientes fizeram em duas séries comerciais do BES, Poupança Plus e EG Premium, cujo dinheiro terá sido canalizado pelo banco para pagar dívidas de empresas do Grupo Espírito Santo (GES). Também para evitar a prescrição, os procuradores terão constituído arguidos, esta segunda-feira, os gestores destes produtos e antigos funcionários do BES, refere o jornal.

Segundo o Correio da Manhã, os dois inquéritos iriam prescrever em março, respetivamente no dia 14 e no dia 27. No entanto, o MP, que esteve a ouvir clientes lesados do BES nos últimos meses, terá conseguido travar o relógio com estas decisões. Os dois inquéritos investigam suspeitas dos crimes de falsificação de documento e poderão ser relevantes para o processo principal, que averigua suspeitas da prática do crime de burla qualificada.

Esta notícia surge na semana em que o Tribunal Constitucional revelou ter recusado o recurso do antigo líder do BES, Ricardo Salgado, à condenação decidida pelo Banco de Portugal (BdP), que também envolveu o ex-administrador financeiro do BES, Amílcar Morais Pires, por gestão ruinosa do banco.

Na prática, significa que as primeiras condenações do supervisor ao caso da queda do BES estão em vias de transitar em julgado, o que deverá forçar Salgado ao pagamento de uma multa de 3,7 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público trava prescrição de processos ligados ao BES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião