PJ faz buscas em bancos por causa de operações de clientes. Montepio é um dos visados

Estão a ser levadas a efeito, esta quinta-feira, várias diligências para cumprimento de 15 mandados de busca e apreensão. Montepio confirma ser uma das instituições visadas, assim como o BNI Europa.

A Polícia Judiciária (PJ) está a realizar buscas em bancos. “Estão a ser levadas a efeito, esta quinta-feira, várias diligências para cumprimento de 15 mandados de busca e apreensão, em instituições bancárias, na sede social de uma associação, em domicílios e em sedes de empresas”, diz a PGR. Tomás Correia é, segundo a TVI, um dos alvos da operação. O Montepio confirma a presença das autoridades nas suas instalações. O BNI Europa também.

“As diligências incidem sobre um conjunto de clientes de instituições financeiras e de entidades suas detentoras, com o propósito de recolha de prova relativamente a operações bancárias realizadas por clientes entre 2011 e 2014, bem como documentação relacionada com estas operações”, acrescenta a Procuradoria-Geral da República (PGR) em comunicado.

De acordo com a TVI, o antigo presidente da Associação Mutualista Montepio Geral, Tomás Correia, é visado nesta operação de combate à corrupção, cujo inquérito se encontra em segredo de justiça. As buscas visam também o Banco BNI Europa, o empresário José Guilherme e o filho.

A investigação, explicou fonte da PGR à Lusa, debruça-se sobre o aumento de capital da Caixa Económica do Montepio (Banco Montepio) em 2013, a constituição do capital social do BNI Europa e a origem do dinheiro usado por um grupo de clientes para a aquisição de unidades de participação do fundo.

"Não faço a mais pequena ideia do que se tratam [as buscas que estão a ser realizadas[ Não sou arguido em coisa nenhuma.”

Tomás Correia

Ex-presidente da AMMG

Contactado pelo ECO, Tomás Correia não confirma. “Não faço a mais pequena ideia do que se tratam” as buscas que estão a ser realizadas. “Não sou arguido em coisa nenhuma”, diz.

O Banco Montepio confirmou estar a ser alvo e buscas nas suas instalações pela PJ, mas não indica o alvo das mesmas. O banco liderado por Pedro Leitão informou ainda que as diligências surgem a propósito de “operações de clientes” realizadas entre 2011 e 2014. “A instituição cumpre escrupulosamente os seus deveres de colaboração com as autoridades”, diz através de comunicado oficial.

O Banco BNI Europa também confirmou, entretanto, as buscas, mas salienta que “não é visado no processo em causa, mas está a colaborar, como é seu dever, com as autoridades”.

O Ministério Público, coadjuvado pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ e por peritos e consultores da Administração Tributária e do Banco de Portugal, encontra-se a investigar “factos suscetíveis de enquadrar a prática de crimes de burla qualificada, branqueamento e fraude fiscal qualificada”.

Esta operação está a ser presidida por quatro juízes do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa e Amadora e acompanhadas por quatro Procuradores da República do DIAP de Lisboa, 90 elementos da Polícia Judiciária, quatro elementos da Autoridade Tributária e seis elementos do Banco de Portugal.

O inquérito encontra-se em segredo de justiça.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h43 com a confirmação de buscas por parte do BNI Europa)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PJ faz buscas em bancos por causa de operações de clientes. Montepio é um dos visados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião