Facebook desiste de mostrar publicidade no WhatsApp

O Facebook está a estudar outras formas de gerar receitas com o WhatsApp que não passem pelos anúncios. O plano era controverso, mas foi suspenso.

O Facebook suspendeu a intenção de apresentar anúncios no WhatsApp, uma das formas idealizadas pela rede social para monetizar a popular aplicação de mensagens pela qual pagou 22 mil milhões de dólares em 2014.

A notícia foi avançada pelo The Wall Street Journal (acesso pago). O jornal lembra que este controverso plano chegou a levar a que os dois criadores do WhatsApp, Brian Acton e Jan Koum, apresentassem a demissão ao líder do Facebook, Mark Zuckerberg, no final de 2017.

Agora, a empresa estará a estudar outras formas de gerar receitas com o WhatsApp. Entre elas, novas funcionalidades que permitam às empresas usar o aplicativo para comunicar com os clientes.

Apesar de ser usada por mais de 1,5 mil milhões de pessoas em todo o mundo, é a única aplicação do grupo Facebook que não gera receita direta para a empresa, para além dos dados pessoais que recolhe. Depois de adquirir a ferramenta criada em 2009, Mark Zuckerberg decidiu torná-la gratuita. Isto porque o WhatsApp cobrava cerca de um euro por uma licença anual.

De acordo com o jornal, o Facebook já separou a equipa que estava a trabalhar na introdução de publicidade no WhatsApp. Contactada, a empresa não quis comentar.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Facebook desiste de mostrar publicidade no WhatsApp

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião