Progressão de carreira, horário flexível e salário fixo são os fatores que os advogados mais valorizam

Um recente estudo da Michael Page aponta que a progressão de carreira, a flexibilidade horária e a remuneração fixa são os fatores que os advogados mais valorizam na profissão.

Os três fatores que atualmente os advogados mais valorizam quando procuram emprego são a progressão de carreira (68,8%), a flexibilidade horária (64,1%) e a remuneração fixa (63,2%). As conclusões constam de um estudo elaborado pela Michael Page.

O estudo sobre o mercado de trabalho na área jurídica e sobre as tendências do setor inquiriu 535 profissionais sendo 71,2% dos inquiridos trabalhadores de sociedades de advogados e de consultoras do ramo fiscal e 28,8% de empresas.

Mais de metade dos inquiridos (66,7%) afirma que “a mobilidade geográfica e a possibilidade de trabalhar no estrangeiro” são os principais desafios profissionais do setor jurídico.

“Estamos a assistir a uma mudança de paradigma no setor legal, em que a flexibilidade de horário é cada vez mais valorizada, uma vez que permite um maior equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal, além de novos modelos de funcionamento focados na produtividade, uma tendência que se verifica também em outros setores” refere João Maciel, senior manager de tax & legal da Michael Page. Acrescenta ainda que é necessário um modelo que “permita disponibilizar aos advogados diferentes opções de carreira para que trabalhem de forma mais flexível e se sintam mais felizes”.

Estamos a assistir a uma mudança de paradigma no setor legal, em que a flexibilidade de horário é cada vez mais valorizada, uma vez que permite um maior equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal.

João Maciel

Senior manager de tax & legal da Michael Page

Uma vasta maioria dos advogados integrados em sociedades considera uma mudança para a “área empresarial, comummente denominada “cliente final”” ou para outra firma de grande dimensão ou consultora, segundo revelou o estudo. Ainda assim, cerca de 29,6% dos inquiridos não descarta a possibilidade de integrar um escritório de média dimensão.

“Relativamente aos motivos apontados para mudar para o setor empresarial, 59% aponta o fator work life balance – equilíbrio entre trabalho e vida pessoal – e 20,4% refere a estabilidade e um contrato de trabalho, como elementos importantes numa eventual mudança”, refere o estudo. A ausência de objetivos comerciais e a faturação de horas de trabalho são alguns dos motivos para a mobilidade profissional.

Por outro lado, para os advogados que não pretende mudar de setor, a motivação, retenção, a possibilidade de construção da carreira profissional nas sociedades e consultoras e a remuneração mais elevada são os fatores decisivos.

Os benefícios para os profissionais que se encontram em sociedades de advogados cingem-se a telemóveis e computadores portáteis e a 32,8% aufere entre 2.200 euros e 3.399 euros brutos mensais.

“A flexibilidade é um fator chave, que poderá contribuir para que os advogados e colaboradores em geral se sintam mais realizados e motivados com o seu trabalho. A tecnologia é o catalisador destas práticas de trabalho mais flexíveis e as sociedades de advogados, a par das empresas, deverão preparar-se para esta realidade, de forma a atraírem e reterem tanto talento como novos clientes“, refere Carolina Almeida Leite, associate manager da Michael Page Tax & Legal.

No setor empresarial advogados sentem-se mais valorizados

Para os advogados que se encontram a trabalhar em empresas, 44% dos inquiridos “está confiante e sente-se valorizado pela chefia e empresa em que está integrado”. As funções e responsabilidades inerentes ao posto de trabalho e a satisfação com a remuneração auferida são os motivos para que não considerem mudar de posto de trabalho.

A remuneração bruta mensal dos profissionais em empresas oscila entre 2.200 euros e os 3.399 euros. “Contudo, também uma maioria 39,6%, refere não receber qualquer tipo de bónus”, revela o estudo da Michael Page.

82,5% consideraria uma mudança para outra empresa e 55,2% para uma sociedade de advogados, sobretudo por falta de satisfação com a atual remuneração e por falta de um plano de carreira”, apresenta o estudo. Os setores da banca, seguros e financeiro são os mais referenciados por estes profissionais, sendo que o retalho e telecomunicações são também apresentados como uma possibilidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Progressão de carreira, horário flexível e salário fixo são os fatores que os advogados mais valorizam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião