Sociedades na bolsa: um in ou out?premium

Será que as sociedades de advogados portuguesas querem seguir o exemplo internacional e entrar para a bolsa? Especialistas indicam que a possibilidade de uma sociedade ser cotada ainda é remota.

A entrada de firmas de advogados em bolsa é um fenómeno crescente em países como Austrália ou Reino Unido. Não existe histórico de tal acontecer em Portugal e, apesar de o financiamento no mercado de capitais cativar o interesse, as limitações estatutárias atuais e a eventual perda de controlo por parte dos sócios desincentivam as firmas portuguesas.

“A regra geral é que qualquer empresa ou setor de negócio que tenha estrutura acionista e societária pode efetivamente pedir a admissão à negociação”, notou Filipa Franco diretora de listing da Euronext Lisbon, empresa europeia que gere bolsas de valores, incluído a portuguesa, que possui vários índices, sendo o de referência o PSI-20.

A diretora de listing sublinhou que há critérios a cumprir (ver tabela). A admissibilidade na bolsa pode ser realizada através de três formas: initial public offering (IPO) ou oferta pública inicial, admissão direta ou colocação particular. O IPO é a forma mais comum, promovendo a colocação de ações junto de um conjunto de investidores. Filipa Franco sublinhou ainda que existem algumas particularidades, como por exemplo a impossibilidade de uma sociedade por quotas entrar para a bolsa.

Fonte: Euronext Lisbon

Mas será que uma sociedade de advogados pode atualmente pedir a admissibilidade em bolsa?

“Hoje em dia, continua a existir uma limitação legal quanto às pessoas jurídicas que podem ser sócias de uma sociedade de advogados”, explicou Fernando Antas da Cunha, sócio da Antas da Cunha e Ecija.

Hoje em dia, continua a existir uma limitação legal quanto às pessoas jurídicas que podem ser sócias de uma sociedade de advogados.

Fernando Antas da Cunha

Sócio da Antas da Cunha e Ecija

Segundo o Estatuto da Ordem dos Advogados, podem ser sócios de uma sociedade os advogados, “sociedades de advogados previamente constituídas e inscritas na Ordem dos Advogados” e ainda “organizações associativas de profissionais equiparados a advogados constituídas noutro Estado-membro da União Europeia cujo capital e direitos de voto caiba maioritariamente aos profissionais em causa”.

“A dispersão em bolsa do capital de sociedades de advogados resulta diretamente proibida, dado que é condição da admissão em bolsa a livre transmissibilidade das ações”, explica Paulo Câmara, sócio da sociedade Sérvulo & Associados.

Maior capitalização para crescer

Mas nem todos veem o tema como fechado e, no futuro, poderá vir a ser uma opção de financiamento, como reconhece Fernando Antas da Cunha, sócio da Antas da Cunha Ecija & Associados. “Não há qualquer dúvida que o facto de termos mais recursos financeiros disponíveis faz com que, por um lado, possamos atrair o melhor talento, como ficam disponíveis ferramentas que, tipicamente, não existe capacidade de as adquirir”, nota.

A entrada de uma empresa na bolsa pode então acentuar e consolidar a imagem de uma empresa e pode vir a ser uma forma de crescimento da mesma.

“A capitalização e a capacidade de criar um plano estratégico assente no crescimento, só resulta em pleno se existir a capacidade financeira para pensar em reformas e desenvolvimentos de novas áreas as quais, num momento inicial, poderão ser deficitárias. Áreas de investigação, formação e antecipação de tendências do mercado, serão mais fácil de atingir, se não dependerem dos recursos libertos num determinado exercício”, assegura Fernando Antas da Cunha.

Ainda assim, o sócio da Antas da Cunha e Ecija admite que a entrada em bolsa pode proporcionar uma “descaraterização do projeto de advocacia ligado aos seus fundadores”. Uma vez que no país as sociedades estão bastante conectadas com a figura dos sócios fundadores, “ao entrar num formato de IPO’s e de entrada de acionistas não advogados”, deixa de existir o formato “um sócio, um voto” e passam a estar sujeitos às “regras de sociedades comerciais normais”.

“A admissão em bolsa transforma estruturalmente o processo decisório nas sociedades de advogados, dado que o domínio pode passar a pertencer a não-advogados, e por isso corre o risco de implicar a transformação da posição do sócio num estatuto de assalariado”, concorda Paulo Câmara.

A admissão em bolsa transforma estruturalmente o processo decisório nas sociedades de advogados, dado que o domínio pode passar a pertencer a não-advogados, e por isso corre o risco de implicar a transformação da posição do sócio num estatuto de assalariado.

Paulo Câmara

Sócio da Sérvulo & Associados

Para o sócio da Sérvulo esse risco constitui um retrocesso do modelo atual, “em que o estatuto de sócio-advogado” permite um “alinhamento de interesses o melhor serviço aos clientes”. Contudo, admite que possam ser criados modelos, legislativos e estatutários, de sociedades cotadas em que o “núcleo de domínio seja irredutivelmente de advogados”, por exemplo através do dualismo de ações (em que os sócios sejam detentores de ações com maior número de direitos de voto e os restantes acionistas de títulos de categoria com menor poder de decisão).

Fernando Antas da Cunha garante que a sociedade nunca ponderou sobre a entrada em bolsa, mas considera que os “clientes serão os grandes beneficiados”. “Desde que se proteja os atos próprios dos advogados e que continuemos vinculados a uma obrigação pelo respeito incondicional aos nossos deveres deontológicos, vemos como natural a evolução do formato que hoje as sociedades de advogados atuam”, acrescenta.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Sociedades na bolsa: um in ou out?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião