Rio ganha diretas com 53% e continua presidente do PSD

O atual presidente do PSD, Rui Rio, e o antigo líder parlamentar Luís Montenegro disputaram este sábado a segunda volta das eleições diretas para escolher o próximo líder do partido.

Rui Rio e Luís Montenegro voltaram este sábado a disputar eleições diretas para a liderança do PSD, numa segunda volta inédita, em que estavam inscritos 40.604 militantes (com as quotas em dia).

Segundo valores disponibilizados ao ECO por uma das candidaturas, Rui Rio vai ser reeleito com 53%, correspondente a 17.139 votos, enquanto Luís Montenegro terá conseguido 47%, o equivalente a 14.978 votos.

Pode consultar aqui no site do PSD os números de votos apurados em todos os distritos.

Na primeira volta, realizada há uma semana, apresentaram-se à corrida Rui Rio, Luís Montenegro e Miguel Pinto Luz. Nenhum dos três candidatos conseguiu superar a fasquia dos 50% exigida para evitar uma segunda volta.

Na votação há uma semana, Rio conseguiu o apoio de 15.546 militantes, o que correspondeu a 49,02% dos votos. Luís Montenegro, antigo líder parlamentar, ficou em segundo com 13.136 votos, ou seja, 41,42% do total.

Afastado da corrida ficou Miguel Pinto Luz cujos 3.030 votos (9.55% do total), não lhe permitiram ir à segunda volta. O autarca de Cascais não declarou o apoio a nenhum dos candidatos, mas ao longo da semana vários dos seus apoiantes declararam apoio a Montenegro.

Nomes como Matos Rosa (ex-secretário-geral do PSD), Miguel Relvas (ex-ministro de Passos), Marco António Costa (antigo vice-presidente do PSD) e Bruno Vitorino (presidente da distrital de Setúbal do PSD) foram algumas das personalidades mais sonantes ou com mais peso que declararam apoio a Luís Montenegro, depois de na primeira volta terem votado no vice da autarquia de Cascais.

Por outro lado, houve votos de Pinto Luz que passaram para o lado do atual presidente do PSD. Luís Mira Amaral (que foi ministro da Indústria de Cavaco Silva), Manuel Rodrigues (mandatário da distrital de Bragança de Pinto de Luz) e Ana Miguel Santos (cabeça de lista pelo círculo de Aveiro) são os que declararam apoio a Rui Rio.

Na primeira volta, a abstenção atingiu os 20,71%, ou seja, houve 8.409 militantes com as quotas em dia não foram votar. Cerca de 40 mil militantes do PSD com as quotas em dia estavam habilitados a votar nas diretas, o universo eleitoral mais baixo de sempre no partido.

“Tranquilo como em todas as eleições”.

Esta tarde quando foi votar, Rui Rio afirmou estar “confiante” na vitória, embora admitindo que “nunca se sabe”.

“Estou confiante, mas tenho sempre de pôr dois cenários, nunca se sabe”, disse Rio aos jornalistas depois de votar na sede do PSD no Porto, acrescentando que “até poderia pôr três [cenários], mas um empate é estatisticamente difícil”.

O candidato Luís Montenegro também afirmou esta tarde estar “confiante” na vitória, e afirmou espera que a anulação do sufrágio no PSD/Madeira não suscite “dúvidas” no “resultado final”.

“Estou muito confiante e muito tranquilo. A campanha foi uma campanha longa, tive sempre o cuidado de fazer o maior número de sessões e de encontros com os militantes para poder esclarecer os meus propósitos, as minhas ideias, as minhas convicções e as orientações estratégicas que pretendo para o PSD. Fi-lo sempre com elevação, sem atacar ninguém”, considerou Montenegro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio ganha diretas com 53% e continua presidente do PSD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião