Portugal Fashion alvo de auditoria da Agência para Desenvolvimento e Coesão

  • Lusa
  • 21 Janeiro 2020

A plataforma de promoção da moda portuguesa Portugal Fashion foi alvo de uma auditoria pela Agência para Desenvolvimento e Coesão, porque caiu na amostra aleatória.

A plataforma de promoção da moda portuguesa Portugal Fashion foi alvo de uma auditoria em 2019 pela Agência para o Desenvolvimento e Coesão e está a aguardar relatório, avançou esta terça-feira à Lusa fonte do Compete 2020.

Fonte oficial do Compete disse esta terça-feira à agência Lusa que foi realizada em 2019 uma “auditoria ao [projeto] Portugal Fashion pela Agência para o Desenvolvimento e Coesão”, entidade com a tutela da coordenação geral dos fundos europeus estruturais e de investimento, porque aquele projeto “caiu na amostra aleatória”.

Em reação, o presidente da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), José Pedro Freitas, disse à Lusa que “todos os projetos executados com financiamento de fundos comunitários são, de acordo com as regras ‘standard’ definidas, alvo de análises detalhadas pelas entidades competentes, aprovações ou não aprovações fundamentadas das despesas apresentadas e auditorias de acompanhamento ou de fecho”.

O presidente da ANJE considera o procedimento da autoria “perfeitamente normal” e “natural”, por estarem “envolvidos fundos europeus”, referindo ainda que o processo está “em avaliação.” Entretanto, o Portugal Fashion suspendeu as ações internacionais desta estação, porque ainda não recebeu “resposta em tempo útil (…) à candidatura submetida” no âmbito dos apoios europeus.

“Não estando a candidatura aprovada, não estavam reunidas as condições de financiamento para a realização das ações”, explicou o presidente da ANJE.

Os ‘designers’ que costumam ser convidados para as semanas de moda internacionais “foram avisados no 4.º trimestre de 2019, altura em que a direção da ANJE tomou a decisão, em face de ainda não haver resposta relativamente à candidatura apresentada”, acrescentou José Pedro Freitas.

As ações do segundo semestre de 2019 foram feitas com “fundos próprios da ANJE, que assumiu esse risco, esperando a aprovação da candidatura”, concluiu. As ações do primeiro semestre do ano passado, designadamente a participação na Semana da Moda Masculina em Milão, foram realizadas com verbas do biénio 2017-2018, como noticiou a Lusa na altura.

Os apoios comunitários que o Portugal Fashion destinam-se, por exemplo, à organização de edições de promoção da moda portuguesa e eventos em Portugal, mas também em várias semanas de moda internacionais, bem como para participar em feiras nacionais e internacionais.

O evento Portugal Fashion no Porto está agendado para os dias de 12 a 14 de março 2020, disse à Lusa fonte da organização. O Portugal Fashion é um projeto da responsabilidade da ANJE, desenvolvido em parceria com a Associação Têxtil e Vestuário de Portugal e financiado pelo FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, através do Compete 2020.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal Fashion alvo de auditoria da Agência para Desenvolvimento e Coesão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião