Trump “vende” crescimento dos EUA, grandes acordos comerciais e recordes nas bolsas em Davos

  • Lusa
  • 21 Janeiro 2020

Presidente dos EUA apresentou-se em Davos como o protagonista de “grandes acordos comerciais” e “vertiginosas subidas das bolsas de valores”.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, foi ao Fórum Económico Mundial, em Davos, com a estratégia de vender o sucesso económico dos EUA e lançou fortes críticas aos “eternos profetas do apocalipse” climático.

“Tenho orgulho em declarar que os Estados Unidos estão em pleno boom económico, como o mundo nunca viu antes”, disse Trump, à sua chegada ao Fórum Económico Mundial, o encontro anual que decorre em Davos, na Suíça, reunindo a elite empresarial e política global.

Depois de, em edições anteriores, o Presidente norte-americano ter sido recebido com muitos olhares de suspeição dos que duvidavam das suas promessas de prosperidade económica, perante uma estratégia protecionista, em 2020 Trump apresentou-se em Davos como o protagonista de “grandes acordos comerciais” e “vertiginosas subidas das bolsas de valores”.

Donald Trump também fez críticas aos defensores da luta contra a emergência climática, acusando-os de serem os “eternos profetas da destruição, com as suas previsões de apocalipse”, numa intervenção feita minutos depois de a jovem ativista sueca Greta Thunberg se ter dirigido ao Fórum para lamentar que nada tenha sido feito para impedir as mudanças ambientais.

No mesmo dia em que se inicia o julgamento político de Trump, no Senado norte-americano, onde é acusado de abuso de poder e de obstrução ao Congresso, num processo de destituição, correram rumores de que o Presidente pudesse estar ausente de Davos.

Mas Trump deslocou-se à Suíça e aproveitou o Fórum mundial para elogiar a prestação da economia dos EUA sob a sua liderança, dizendo que a sua recuperação “foi nada menos do que espetacular”.

“Os Estados Unidos estão a prosperar. Os Estados Unidos estão a ganhar novamente, como nunca antes aconteceu”, disse Trump, para, de seguida, enaltecer o acordo comercial que assinou com a China e o tratado que tem pendente com o México e com o Canadá.

O Presidente dos EUA falou ainda dos baixos níveis de desemprego no seu país e dos elevados ganhos nas bolsas, que afirmou estarem em níveis recorde, aproveitando para convidar os empresários a investirem no mercado norte-americano.

O discurso de Trump em Davos foi ouvido em silêncio, por uma plateia que em anos anteriores tinha troçado das palavras do Presidente norte-americano.

Mas alguns economistas, como é o caso de Joseph Stiglitz, vencedor do prémio Nobel de Economia, não se rendem ao diagnóstico do Presidente dos EUA.

“A caracterização da economia está totalmente errada”, afirmou Stiglitz, um académico e colunista crítico de Trump.

Stiglitz exprimiu também a sua frustração pelo fracasso de Trump em abordar a questão da emergência climática, que é um dos pontos centrais do Fórum de Davos.

“Ele conseguiu dizer absolutamente zero sobre as mudanças climáticas! Enquanto nós ficamos a assar”, lamentou o economista.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump “vende” crescimento dos EUA, grandes acordos comerciais e recordes nas bolsas em Davos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião