Portugal quer aumentar 10 vezes a economia do espaço e criar mil empregos até 2030

  • Lusa
  • 21 Janeiro 2020

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior disse que o país fatura "apenas 40 milhões de euros por ano" na área do espaço, adiantando que o objetivo é chegar a 2030 a faturar 500 milhões.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior assumiu esta terça-feira como objetivo aumentar 10 vezes a economia do espaço, criando também mil empregos, até 2030, num investimento global de 2.500 milhões de euros.

Em declarações à Agência Lusa, à margem da 12.ª Conferência Europeia do Espaço, em Bruxelas, Manuel Heitor explicou que “o investimento público direto é de um quinto (500 milhões de euros) – 250 milhões através do investimento público na Agência Espacial Europeia (ESA) e 250 milhões através da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT)” -, cabendo o restante aos fundos europeus e ao setor privado.

“Portugal aparece aqui na sequência do esforço dos últimos anos para desenvolver a economia do espaço. O espaço significa criar empregos e Portugal tem uma estratégia nesta década de criar, pelo menos, mil novos e melhores empregos, particularmente associados à observação da Terra”, disse.

O responsável governamental destacou o combate às alterações climáticas, a agricultura, as pescas, o cadastro e a mobilidade urbanos ou das florestas e do território em geral como setores onde deve ser reforçada a utilização das tecnologias espaciais, designadamente através das imagens por satélite e dos sistemas avançados de informação para “sofisticar a cadeia de valor das empresas e da economia”.

O objetivo é chegarmos a 2030 com uma economia do espaço 10 vezes superior à que temos hoje. Hoje, Portugal fatura apenas 40 milhões de euros por ano e queremos chegar a 2030 a faturar 500 milhões por ano na área do espaço”, desejou.

O ministro da Ciência declarou que “a ideia é multiplicar por cinco estes 500 milhões de euros, articulando com fundos europeus de gestão centralizada e descentralizada e com investimento privado”.

“Estamos aqui ativamente para atrair mais investimento europeu e mostrar um país aberto e também articular a educação com a investigação orientada para a criação de emprego”, continuou.

Manuel Heitor vai intervir no painel “Rumo a uma Parceira Espacial entre Europa e África” durante esta 12.ª Conferência Europeia do Espaço, no Palácio Egmont, em Bruxelas, sob o lema: “Nova Década, Ambições Globais: Crescimento, Clima, Segurança e Defesa”.

A presidente da Agência Espacial Portuguesa, Chiara Manfletti, também está presente e vai intervir na sessão intitulada “Espaço ao Serviço do Pacto Ecológico Europeu: um Olhar sobre o Futuro”.

A conferência é um encontro de alto nível entre membros de instituições europeias, representantes da indústria, de pequenas e médias empresas e da comunidade académica e científica, num contexto em que se discute o novo quadro financeiro para a União Europeia nos próximos sete anos, a partir de 2021, prevendo um novo Programa Espacial Europeu.

Entretanto, a Comissão Europeia anunciou uma parceria com o Banco Europeu de Investimento (BEI) para investir 200 milhões de euros no setor espacial e apoiar assim a inovação na indústria. O BEI e o Grupo Ariane vão também assinar um acordo para um empréstimo de 100 milhões de euros para o novo programa do lançador [de satélites] Ariane 6.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal quer aumentar 10 vezes a economia do espaço e criar mil empregos até 2030

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião