“Senti vergonha alheia”, diz Rui Tavares, do Livre

  • ECO
  • 21 Janeiro 2020

Rui Tavares responsabiliza Joacine Katar Moreira por ter "cortado com os processos internos". Aguarda a decisão do partido, mas quase sem esperança de outro desfecho que não o afastamento.

Na sequência do Congresso do Livre, Rui Tavares tece duras críticas a Joacine Katar Moreira, responsabilizando a deputada por ter “cortado com os processos internos” do partido. O político explica em entrevista conjunta ao Diário de Notícias e à TSF que Joacine “rapidamente cessou contactos” com o Livre, ainda antes do polémico voto sobre a Palestina que fez vir a público o mal-estar no seio do partido.

Sobre o discurso feito por Joacine no fim de semana — no qual se insurge contra a proposta de retirada de confiança política — Rui Tavares diz: “Senti que as pessoas que estavam a ver aquilo estavam incomodadas e incomodadas connosco, com o Livre, comigo também”.

Lembra que o partido demorou seis anos a chegar à Assembleia da República e que “há compromissos que lamentavelmente não estão a ser seguidos” “reiteradamente”. Questionado se o Livre vai retirar a confiança política a Joacine, Rui Tavares explica: “Não estamos numa situação de cedências de parte a parte; nem do ponto de vista dos factos nem do ponto de vista político”.

“Concordo com o grupo de contacto, porque as cedências de parte a parte significam em geral que há erros dos dois lados. Isso significaria que chamar mentirosa à assembleia, um órgão do partido, fazê-lo em público, e daquela maneira e com aquela agressividade, seria equivalente a qualquer um de nós, eu, que faço parte da assembleia e que, portanto, também fui chamado mentiroso”, acrescenta Rui Tavares.

Rui Tavares está desiludido com o desempenho de Joacine Katar Moreira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Senti vergonha alheia”, diz Rui Tavares, do Livre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião