Sindicato dos Bancários do Norte pede intervenção do Governo na negociação com CGD

  • Lusa
  • 23 Janeiro 2020

Por considerar que a Caixa Geral de Depósitos está a ser intransigente, o Sindicato dos Bancários do Norte pediu ao Governo que intervenha nas negociações.

O Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) requereu ao Governo a conciliação nas negociações com a Caixa Geral de Negócios (CGD) por considerar que há intransigência no processo negocial por parte do banco público.

“Esta decisão, de recurso à conciliação, surge na sequência de mais de uma dezena de reuniões com os representantes da CGD, sem que até ao momento fosse demonstrada qualquer intenção de ultrapassar este impasse e apresentar uma proposta que permitisse a conclusão das negociações com o mínimo de dignidade para os trabalhadores representados por este sindicato”, refere o comunicado hoje divulgado.

O SBN diz que neste processo tem estado de “boa fé negocial”, com vista à “obtenção do consenso negocial”, mas que a CGD não deu sinais de mudar a sua posição, apresentando “intransigência ou indisponibilidade para a aceitação do mínimo indispensável que pudesse viabilizar o acordo final”, pelo que avançou com o pedido formal de conciliação ao Ministério do Trabalho.

“O SBN não está disponível para chegar a acordo com a administração da CGD tendo por base uma proposta de revisão que viola o princípio da não diminuição de direitos decorrentes da convenção coletiva anterior”, disse o presidente do SBN, Mário Mourão, citado no comunicado.

Em causa está a revisão do Acordo de Empresa que, segundo o sindicato, irá definir o enquadramento laboral no grupo financeiro nos próximos dois anos. A conciliação é uma negociação assistida em que a Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) tenta ajudar sindicato e empresa a chegarem a uma solução negocial.

Caso não funcione, pode ser em seguida pedida a mediação. Nessa fase o mediador propõe uma solução às partes, que podem aceitar ou rejeitar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicato dos Bancários do Norte pede intervenção do Governo na negociação com CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião