CGD registou lucros de 800 milhões em 2019

  • ECO
  • 11 Janeiro 2020

Será o melhor resultado do banco público desde 2007, quando alcançou um lucro de 856 milhões de euros. Vendas de bancos internacionais e aumento de comissões ajudaram contas da CGD.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) terá fechado o ano de 2019 com lucros de cerca de 800 milhões de euros, segundo avança este sábado o jornal Expresso (acesso pago). A confirmar-se este desempenho, será o melhor resultado do banco público desde 2007, quando alcançou um lucro de 856 milhões de euros.

Será com base neste lucro que o banco liderado por Paulo Macedo distribuirá ao Estado dividendos no valor de 300 milhões de euros, que já estão contabilizados no Orçamento do Estado para 2020. A remuneração acionistas corresponderá a cerca de 38% dos lucros do ano passado.

A dar força aos lucros da CGD estiveram vários fatores extraordinários, como a venda dos bancos na África do Sul (por 215 milhões ao Capitec) e em Espanha (384 milhões ao Abanca), por exemplo. Este ano o banco deverá concluir a alienação de bancos no Brasil e em Cabo Verde. O aumento das receitas com comissões, a diminuição das imparidades para crédito e a venda de imóveis também contribuíram para os resultados do banco estatal, que também melhorou o seu desempenho graças à redução dos custos com pessoal e nos gastos gerais. As contas serão apresentadas no próximo dia 31 de janeiro.

Os primeiros nove meses deixam antecipar um resultado gordo em 2019: até setembro, os lucros aceleravam 70% para 641 milhões de euros. O resultado recorrente, sem contar com efeitos extraordinários como estas duas operações, situou-se nos 480 milhões de euros entre janeiro e setembro, registando uma subida de 30% face ao mesmo período do ano passado.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD registou lucros de 800 milhões em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião