CGD registou lucros de 800 milhões em 2019

  • ECO
  • 11 Janeiro 2020

Será o melhor resultado do banco público desde 2007, quando alcançou um lucro de 856 milhões de euros. Vendas de bancos internacionais e aumento de comissões ajudaram contas da CGD.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) terá fechado o ano de 2019 com lucros de cerca de 800 milhões de euros, segundo avança este sábado o jornal Expresso (acesso pago). A confirmar-se este desempenho, será o melhor resultado do banco público desde 2007, quando alcançou um lucro de 856 milhões de euros.

Será com base neste lucro que o banco liderado por Paulo Macedo distribuirá ao Estado dividendos no valor de 300 milhões de euros, que já estão contabilizados no Orçamento do Estado para 2020. A remuneração acionistas corresponderá a cerca de 38% dos lucros do ano passado.

A dar força aos lucros da CGD estiveram vários fatores extraordinários, como a venda dos bancos na África do Sul (por 215 milhões ao Capitec) e em Espanha (384 milhões ao Abanca), por exemplo. Este ano o banco deverá concluir a alienação de bancos no Brasil e em Cabo Verde. O aumento das receitas com comissões, a diminuição das imparidades para crédito e a venda de imóveis também contribuíram para os resultados do banco estatal, que também melhorou o seu desempenho graças à redução dos custos com pessoal e nos gastos gerais. As contas serão apresentadas no próximo dia 31 de janeiro.

Os primeiros nove meses deixam antecipar um resultado gordo em 2019: até setembro, os lucros aceleravam 70% para 641 milhões de euros. O resultado recorrente, sem contar com efeitos extraordinários como estas duas operações, situou-se nos 480 milhões de euros entre janeiro e setembro, registando uma subida de 30% face ao mesmo período do ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD registou lucros de 800 milhões em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião