Vírus: China suspende viagens dentro e para fora do país. “Situação é grave”, diz Presidente

  • Lusa
  • 25 Janeiro 2020

O Presidente chinês Xi Jinping admitiu que a "situação é greve" e que a propagação do vírus está a acelerar. Decidiu suspender todas as viagens dentro e para fora do país.

O Presidente chinês, Xi Jinping, admitiu este sábado que a China enfrenta uma “situação grave” devido à “propagação acelerada” do novo coronavírus, mas assegurou que o país pode “vencer a batalha” contra o vírus. Ainda assim, vai suspender as viagens organizadas na China e ao estrangeiro.

“Face à situação grave de uma epidemia que se acelera […] é necessário reforçar a direção centralizada e unificada do comité central do partido“, disse Xi, que presidiu hoje a uma reunião do politburo, o órgão de sete membros que dirige o país, consagrada à emergência de saúde provocada pelo coronavírus. O vírus já matou 41 pessoas na China e infetou mais de 1.300 em vários países.

“A China pode vencer a batalha”, assegurou o Presidente. O novo tipo de coronavírus surgiu no mês passado na cidade de Wuhan (centro) e propagou-se a outras cidades e países. Além do território chinês, foram confirmados casos em Macau, Tailândia, Taiwan, Hong Kong, Coreia do Sul, Japão, Estados Unidos, Malásia, França e Austrália.

A partir de segunda-feira, as agências de viagens chinesas não poderão mais vender reservas de hotel nem viagens em grupo, segundo o canal de televisão CCTV.

Ao longo dos últimos dias, as autoridades chinesas proibiram as entradas e saídas de Wuhan e várias cidades na região, afetando mais de 50 milhões de chineses, e, hoje, decretaram que apenas veículos de emergência podem circular na cidade onde teve origem o surto.

Também em Wuhan começou a ser construído um novo hospital, com capacidade para 1.300 pacientes, que estará concluído em duas semanas, e foi anunciado o envio de equipas de médicos militares especialistas para a província de Hubei, onde se localiza Wuhan.

(Notícia atualizada às 15h28 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vírus: China suspende viagens dentro e para fora do país. “Situação é grave”, diz Presidente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião