Metro de Lisboa está melhor. Mas utentes querem mais comboios

  • Lusa
  • 29 Janeiro 2020

Linhas Verde e Azul do Metro de Lisboa apresentam os clientes mais satisfeitos. Embora o índice de qualidade tenha melhorado, utentes querem mais comboios e redução dos tempos de espera.

O índice de satisfação dos utentes do Metropolitano de Lisboa aumentou em 2019, sendo as linhas Verde e Azul as que têm clientes mais satisfeitos, segundo um estudo hoje divulgado.

O estudo, com o objetivo da melhoria da qualidade do serviço prestado, foi realizado entre 30 de setembro e 27 de outubro de 2019, a utentes do Metropolitano de Lisboa, de ambos os sexos com 15 ou mais anos, numa amostra que contou com 4.105 entrevistas.

De acordo com o estudo, o Índice de Satisfação do Cliente (ISC) foi de 7,35 contra 7,11 (2018), numa escala de zero a 10 pontos, sendo as linhas Verde e Azul as que têm os clientes mais satisfeitos.

Desta forma, o estudo demonstra uma evolução positiva de 2,51% face à média dos últimos seis estudos anteriores (7,17) e de 3,38% face ao período homólogo, verificando-se, também, um aumento da satisfação nos clientes da hora de ponta da manhã.

As sugestões de melhoria diminuíram em 2019, face ao aumento da qualidade do serviço prestado, com 29% dos clientes a fazer sugestões de melhoria. Destas sugestões, 52% são relativas a comboios.

No top 5 de sugestões de melhoria, encontra-se a maior frequência de comboios e a redução dos tempos de espera, com 21% e 20% respetivamente. Em terceiro lugar classifica-se, com 16%, a necessidade de uma maior vigilância nas estações. A redução de avarias posiciona-se em 4.º lugar, com uma percentagem de apenas 11%.

Em último lugar, e com 9%, encontra-se a sugestão de melhor funcionamento das escadas mecânicas.

Dos clientes entrevistados, 49% são clientes frequentes (11 ou mais viagens por semana), 30% são clientes regulares (5 a 10) e 21% são clientes ocasionais, sendo que 49% dos clientes entrevistados utilizam o Lisboa Viva com o passe Navegante, 4% utiliza o Viva Viagem carregado com o bilhete simples, 24 horas ou Zapping e 2% utiliza outros títulos de transporte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Metro de Lisboa está melhor. Mas utentes querem mais comboios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião