“Não estamos a olhar” para o EuroBic. “Reputação não ajuda”, diz CEO do Totta

Pedro Castro e Almeida, CEO do Santander Totta, descarta entrar na corrida pela aquisição de parte ou do Eurobic como um todo. Diz que a reputação também "não ajuda".

O Santander Totta não vai entrar na corrida pela aquisição da posição de Isabel dos Santos no EuroBic, ou na instituição financeira como um todo. Pedro Castro e Almeida, CEO do Santander Totta, diz “não estamos a olhar e não vamos olhar” quando questionado sobre se poderia ser um dos interessados no banco liderado por Teixeira dos Santos.

Pedro Castro e Almeida começa por socorrer-se da frase da praxe perante questões desta natureza quando questionado sobre um eventual interesse do Santander no EuroBic. “Este é o nosso negócio, estamos sempre atentos”, diz para depois assegurar que “não estamos a olhar e não estamos interessados”.

Para justificar essa posição, o CEO remete para a atual posição do banco no mercado nacional. “Temos em Portugal uma quota de 20%. Não nos parece que com uma quota como a que temos em Portugal, o grupo queira continuar a investir“, enquadra Pedro Castro e Almeida, lembrando que após as aquisições feitas em território nacional o crescimento “é orgânico”.

“Não estamos a olhar e não vamos olhar”, conclui a esse propósito, acabando por reconhecer também que “a reputação [do banco que tem Isabel dos Santos como principal acionista] não ajuda”.

Para além do Abanca, existirão interessados do Reino Unido, Médio Oriente e China pelo EuroBic, tal como adiantou o ECO. Isabel dos Santos está a vender a sua posição de 42,5% no banco que está no epicentro da polémica do Luanda Leaks. Ainda assim, negócio poderá envolver mesmo 100% do capital da instituição liderada por Teixeira dos Santos.

(Notícia atualizada às 12h56 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não estamos a olhar” para o EuroBic. “Reputação não ajuda”, diz CEO do Totta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião