Ministra da Agricultura sublinha empenho de Portugal numa PAC sem cortes

  • Lusa
  • 30 Janeiro 2020

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, diz que espera que os níveis da Política Agrícola Comum se mantenham.

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, sublinhou esta quinta-feira o empenho do Governo para que Portugal não sofra cortes no orçamento da Política Agrícola Comum (PAC) para o próximo Quadro Financeiro Plurianual da União Europeia.

Em declarações à Lusa em Esposende, distrito de Braga, à margem do Encontro Nacional de Técnicos da Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e de Crédito Agrícola de Portugal (CONFAGRI), a ministra referiu que espera que os níveis da PAC se mantenham, para dar continuidade a um conjunto de políticas que têm resultado.

“Temos defendido, no âmbito do quadro financeiro plurianual, que não haja cortes e que se mantenham os níveis de apoio para a PAC. Temos essa expectativa e vamos continuar a lutar para que isso possa acontecer”, referiu.

Esta quinta-feira, no início do Encontro Nacional de Técnicos, secretário-geral da CONFAGRI, Francisco Silva, sublinhou a necessidade de o Governo “negociar bem” a reforma da PAC, para “garantir os apoios” necessários para a agricultura portuguesa.

Maria do Céu Albuquerque garantiu que, na mesa das negociações, o Governo tem também defendido que não haja diminuição das verbas para o Programa de Opções Específicas para o Afastamento e a Insularidade nas Regiões Ultraperiféricas (POSEI) nem para o setor.

“O que queremos é dar continuidade a um conjunto de políticas que têm resultado, nomeadamente no setor vitivinícola”, referiu, vincando o 9.º lugar que Portugal ocupa no ‘ranking’ mundial em termos de exportação de vinhos. A ministra alertou que o novo ciclo será “muito exigente”, alocando 40 por cento dos montantes afetos à PAC aos pilares do ambiente e clima.

O grande desafio, assinalou, é que a agricultura ganhe competitividade e simultaneamente contribua para a mitigação das alterações climáticas. “Para isso, precisamos de desenvolvimento tecnológico, de inovação, de nos sentirmos todos convocados”, disse ainda.

De resto, Maria do Céu Albuquerque disse que a agricultura em Portugal é um setor que já demonstra “grande vitalidade”, com um crescimento sustentável que “importa ser valorizado”. Lembrou que é um dos setores que mais tem crescido em Portugal, designadamente em termos de exportações, defendendo que esse é um caminho que tem de continuar a ser feito.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministra da Agricultura sublinha empenho de Portugal numa PAC sem cortes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião