Sonangol iniciou processo para privatização de empresas em que detém ativos

  • Lusa
  • 31 Janeiro 2020

Para já são sete empresas, todas se dedicam "à atividade de viagens e turismo e têm sedes em Angola, Portugal, Estados Unidos da América e França". Mas em breve haverá mais, diz a pertolífera.

A Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) anunciou esta quinta-feira o lançamento do concurso público para “a alienação dos interesses participativos” que detém em sete empresas, todas no setor turístico.

Numa nota enviada à imprensa, a empresa tornou público que, “no âmbito do Programa de Reestruturação e na sequência da aprovação pelo executivo do Programa de Privatizações (ProPriv), decorreu, de 20 de dezembro de 2019 a 30 de janeiro de 2020, o lançamento do concurso público para a alienação dos interesses participativos” em várias empresas.

Atlântida Viagens e Turismo Lisboa, Atlântida Viagens Luanda, WTA International, WTA Travel Agency Luanda, WTA Paris, WTA/ Houston Express e ITSS International Travel Services and Systems são as sete empresas incluídas neste concurso, sendo que todas se dedicam “à atividade de viagens e turismo e têm sedes em Angola, Portugal, Estados Unidos da América e França”, acrescenta o comunicado.

Na nota, a Sonangol acrescentou que irá, em breve, lançar os concursos públicos referentes “aos seus interesses participativos” nas empresas Sonaid – Serviços de Apoio à Perfuração, Sonasurf Internacional e Sonasurf Angola (operação e gestão de navios de suporte à atividade petrolífera), e Founton (gestão imobiliária), bem como no hotel Suíte, em Maianga.

No âmbito do Programa de Privatizações (ProPriv), que lista 195 empresas públicas para privatizar até 2022, a Sonangol deve alienar cerca de 70 ativos, sendo que pelo menos 50 estão sob o controlo direto da administração da petrolífera.

A empresa enfrenta ainda um programa de reestruturação, através do qual adquiriu recentemente uma participação de 25% da brasileira Oi na angolana Unitel por 900 milhões de euros.

Esta medida permitiu, de acordo com a administração da empresa, “a estabilização e a normalização das atividades da Multitel e da Unitel”, sendo que a Sonangol passa agora a deter 50% desta última.

Da mesma forma, o secretário de Estado dos Petróleos de Angola, José Alexandre Barroso, defendeu que a aquisição das ações na Unitel se deveu a “uma preocupação” que a Sonangol tem com a sua própria melhoria, acrescentando que a operadora de telecomunicações, onde a empresária angolana Isabel dos Santos detém 25%, é “muito importante para Angola”.

A Unitel contava com quatro acionistas com partes iguais (25%): PT Ventures (Oi), Sonangol, Vidatel (controlada por Isabel dos Santos) e a Geni (do general Leopoldino Fragoso do Nascimento).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonangol iniciou processo para privatização de empresas em que detém ativos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião