Sonangol não reclamou das transferências no EuroBic

  • ECO
  • 30 Janeiro 2020

Carlos Saturnino acusou publicamente Isabel dos Santos de fazer "transferências monetárias irregulares", mas nunca questionou o banco. Após receber o extrato anual, tinha 60 dias para o fazer.

A petrolífera estatal angolana Sonangol nunca questionou o EuroBic sobre as transferências que esvaziaram as contas bancárias, em 2017, e que foram agora conhecidas pelo caso Luanda Leaks, segundo noticia esta quinta-feira o Jornal de Negócios (acesso pago). As transferências foram feitas para a empresa offshore Matter Business Consulting, controlada por Jorge Brito Pereira, advogado de Isabel dos Santos, com sede no Dubai.

A empresa tinha 60 dias para o fazer após ter recebido o extrato em dezembro de 2017, mas nunca o fez, nem mesmo após as denúncias de Carlos Saturnino contra Isabel dos Santos no ano seguinte, diz o Negócios. O Correio da Manhã já tinha revelado que a empresa angolana não tinha feito qualquer pedido ao banco liderado por Teixeira dos Santos.

O consórcio de jornalismo de investigação (ICIJ) revelou mais de 715 mil ficheiros que revelam como Isabel dos Santos conseguiu tornar-se na mulher mais rica de África. De acordo com a investigação, a filha do ex-presidente de Angola terá utilizado fundos públicos para fazer crescer a sua fortuna. Foi na liderança da Sonangol que terá, com recurso ao EuroBic, transferido 115 milhões de dólares para uma sociedade sua no Dubai.

Só num dia, foram 57 milhões retirados de uma conta do banco. Mas estes movimentos não só não suscitaram dúvidas ao banco como não levaram a petrolífera a questionar a instituição financeira liderada por Teixeira dos Santos, apurou o jornal.

A Sonangol não fez qualquer reporte oficial mesmo depois de o sucessor de Isabel dos Santos na liderança da Sonangol, Carlos Saturnino, ter acusado publicamente a empresária de ter feito “transferências monetárias irregulares ordenadas pela anterior administração”, bem como de uma dessas transferências ter levado o Ministério Público de Angola um inquérito-crime. Ainda assim, a petrolífera ainda o pode fazer.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonangol não reclamou das transferências no EuroBic

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião