Em Lisboa e Porto, há freguesias onde os preços das casas subiram 40%. No Lumiar, caíram

Os preços das casas subiram 7%, mas nas duas principais cidades do país, como seria de esperar, os aumentos foram cerca do dobro. Metro quadrado no Porto está nos 1.800 euros e em Lisboa nos 3.200.

Os preços das casas continuam a subir, embora o ritmo de aumento esteja a desacelerar. A nível nacional, o valor do metro quadrado está 7% mais caro, fixando-se nos 1.054 euros no terceiro trimestre do ano passado, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Mas nas duas principais cidades do país, como tem sido habitual, há poucos sinais de abrandamento. Há freguesias em que os preços dispararam 30%, 40% e até quase 50%. Mas também houve uma em que os valores caíram.

Comprar casa em Lisboa custava, entre julho e setembro do ano passado, 3.205 euros por metro quadrado, mais 11,4% face ao trimestre do ano anterior, continuando este a ser o município mais caro do país para viver. A freguesia de Santo António é a mais cara, com um valor de 4.889 euros por metro quadrado, enquanto Santa Clara se apresenta como a mais barata (2.090 euros por metro quadrado).

Mas, em termos de evolução dos preços, o cenário muda de figura. Foi em Marvila onde os preços mais subiram: 47,6% para 2.845 euros por metro quadrado, deixando esta freguesia de ser a mais barata da capital, como aconteceu noutros tempos. Este desempenho pode ser explicado pela venda dos apartamentos do Prata Riversidade Village, um empreendimento da VIC Properties na linha do rio.

Contrariando a tendência de subida da generalidade das freguesias da capital, houve uma onde os preços das casas desceram. Foi no Lumiar, na Alta de Lisboa, em que os preços caíram 1,3% para uma média de 2.596 euros o metro quadrado, refere o INE.

Preço do metro quadrado nas várias freguesias de Lisboa | INE, terceiro trimestre de 2019.D.R.

Preços sobem (mais) no Porto. Bonfim dispara 40%

No Porto, depois de no segundo trimestre a cidade ter superado pela primeira vez a média nacional, os preços desta vez subiram mais do que em Lisboa. Enquanto na capital a subida foi de 11%, na Invicta esse aumento foi de 18,2% e o metro quadrado já custa 1.802 euros, de acordo com o INE. Ainda assim, continua a ser muito mais barato comprar casa no Porto do que em Lisboa (3.205 euros o metro quadrado).

Para quem está a pensar comprar casa, convém saber que é na União de freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde que os preços são mais altos. Nesta zona, o metro quadrado já custa 2.414 euros, tendo subido 7,3%. A opção mais económica é Campanhã, que continua a ser a freguesia mais barata do Porto, com o metro quadrado a custar 1.170 euros, mas tendo subido 18,7%, mais do que a média da cidade.

Contudo, e assim como em Lisboa, se analisarmos a evolução destes valores o cenário também se altera. A maior subida aconteceu no Bonfim, onde os preços aumentaram 39,4% para 1.839 euros por metro quadrado, enquanto a subida mais discreta aconteceu na União de freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde (a freguesia mais cara da subida).

Preço do metro quadrado nas várias freguesias do Porto | INE, terceiro trimestre de 2019.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em Lisboa e Porto, há freguesias onde os preços das casas subiram 40%. No Lumiar, caíram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião