Portugueses vão ter mais tempo para pagar as portagens. Prazo poderá chegar aos 30 dias

  • ECO
  • 1 Fevereiro 2020

O Governo está a estudar o alargamento do prazo para pagar portagens nos CTT, estando em cima da mesa um novo prazo de 30 dias, ao invés dos cinco dias atuais. Medida visa evitar dívidas e litigância.

O Governo está a estudar alargar de cinco para 30 dias o prazo para pagamento de portagens Scut junto dos CTT. O objetivo é evitar que pequenas dívidas relacionadas com as passagens por pórticos nas autoestradas se transformem facilmente em processos de execução fiscal.

A notícia é avançada este sábado pelo Público (acesso condicionado), que noticia que o Executivo vai rever este ano a forma como se processa a liquidação das taxas de circulação nas autoestradas com pórticos automáticos. O dossiê está a ser acompanhado pelos ministérios das Infraestruturas, Finanças e Coesão Territorial.

Segundo o jornal, o alargamento para 30 dias ainda não está fechado. Mas é “ponto assente” que os condutores portugueses que não têm identificador da Via Verde terão mais tempo para liquidar estes valores, antes de o processo ser convertido numa execução fiscal, com custos mais elevados para os bolsos dos portugueses.

Atualmente, quando um condutor passa por um pórtico numa autoestrada Scut, tem cinco dias para pagar o montante, geralmente nos serviços dos CTT. No entanto, é entendimento do Governo que o sistema atual é algo confuso, até porque este prazo só começa a contar dois dias depois. Este “tempo morto” pode, também, vir a ser encurtado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses vão ter mais tempo para pagar as portagens. Prazo poderá chegar aos 30 dias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião