PSD nega criação de imposto verde para compensar descida do IVA da luz

  • Lusa
  • 3 Fevereiro 2020

O deputado do PSD, Duarte Pacheco, disse que o partido vai votar contra a proposta do Bloco de aumentar IVA dos hotéis para compensar perda de receita com descida do IVA da eletricidade.

O PSD quer que as contrapartidas que propõe para compensar a descida do IVA da luz para consumo doméstico sejam votadas antes da redução da taxa de 23 para 6%, disse à Lusa o deputado Duarte Pacheco.

Caso não sejam aprovadas estas contrapartidas “ou outras semelhantes”, o PSD “agirá em conformidade”, explicou o deputado, o que tal como já disse na semana passada significará não levar a votos a proposta do partido de redução da taxa do IVA da eletricidade para as famílias.

No final da primeira manhã de discussão orçamental, questionado pela Lusa sobre a recusa do Bloco em votar o que consideram ser “cortes cegos” nos consumos intermédios do Estado, o deputado do PSD, que juntamente com o vice da bancada Afonso Oliveira está a coordenar o processo orçamental, respondeu: “Primeiro votamos as contrapartidas”, assegurou.

Tal implicará uma alteração na ordem da votação dos artigos da proposta do PSD, que prevê uma alteração ao artigo 215.º, onde se estabelece a redução do IVA, e só, em seguida, num artigo 215.º B estabelece a cobertura orçamental para esta redução de despesa, que os sociais-democratas estimam em 175 milhões de euros.

O PSD apresentou na segunda-feira passada uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2020 que reduz de 23% para 6% a taxa do IVA da eletricidade “exclusivamente para consumo doméstico”, a partir de 1 de julho, medida que os sociais-democratas estimam ter um custo de 175 milhões de euros este ano.

Para compensar a perda de receita, o PSD propõe cortes de 21,7 milhões de euros em gabinetes ministeriais, 98,6 milhões em consumos intermédios e admite que a medida possa implicar uma redução do saldo orçamental até 97,4 milhões de euros, “sem comprometer o objetivo de um saldo orçamental de 0,2% do PIB”.

No domingo, a coordenadora do BE, Catarina Martins, afirmou desconhecer as contrapartidas apresentadas pelo PSD e avisou que não aceitará “cortes cegos” nos consumos intermédios do Estado.

Será que o PSD quer subir ainda mais o ISP (Imposto sobre Produtos Petrolíferos)? Mas há uma proposta que (essa sim) entrou e que é inaceitável, que o Bloco de Esquerda nunca votará, designadamente quando o PSD pretende fazer cortes cegos no Estado sem dizer onde. Diz o PSD que quer cortar cem milhões de euros. Mas é nas escolas, nos hospitais, na justiça ou na segurança?”, interrogou-se a coordenadora bloquista.

Na semana passada, Duarte Pacheco já tinha dito que sem contrapartidas a proposta de redução do IVA do PSD não seria votada.

Questionado sobre medidas de compensação propostas pelo BE para a sua própria proposta de redução do IVA — aumento da taxa do IVA para os hotéis –, o deputado adiantou que o PSD irá votar contra, uma vez o partido considera que tal aumento “seria dar com uma mão e tirar com outra” ao nível da carga fiscal.

Duarte Pacheco negou também que o partido vá propor o aumento de um imposto verde para compensar a medida de descida da taxa do IVA, com o mesmo argumento: “Seria dar com uma mão e tirar com outra e nós queremos reduzir a carga fiscal”.

As propostas dos vários partidos sobre a redução do IVA deverão ser votadas na quarta-feira na especialidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD nega criação de imposto verde para compensar descida do IVA da luz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião