Clubes de fornecedores da Autoeuropa e da PSA já têm disponíveis 56,4 milhões em apoios

São 56,4 milhões de euros que as 33 empresas que integram estes dois clubes de fornecedores vão poder disputar entre si. As candidaturas estão abertas até 30 de junho.

As empresas que integram a lista de fornecedores da Volkswagen e da PSA já têm concursos abertos para se poderem candidatar a apoios comunitários. Em causa estão 56,4 milhões de euros que devem ser disputados em pé de igualdade pelas 33 empresas e 11 entidades não empresariais que reuniram os requisitos para fazer partes destes clubes. As candidaturas estão abertas até 30 de junho.

Os novos Clubes foram criados no verão mas, apesar de as candidaturas das empresas para integrar a lista de fornecedores terem sido entregues em março de 2019 — e as PME escolhidas no verão –, os concursos, no âmbito do Sistema de Incentivos, só foram lançados a 27 de janeiro. A demora no lançamento dos concursos levou inclusivamente algumas empresas a desistir de integrar a lista de fornecedores, tal como o ECO avançou no início de janeiro.

Houve a expectativa de que o concurso fosse lançado na primeira semana de dezembro, mas essa possibilidade acabou por não se concretizar e as empresas nucleares fizeram chegar ao Governo a sua preocupação pela demora no processo, como já noticiou o ECO.

A lista de candidatos a fornecedores dos respetivos clubes foi entregue ao Compete, o programa operacional do Portugal 2020 dedicado às empresas, em março de 2019, e a decisão de quem reúne os requisitos para obter apoios comunitários foi tomada no verão. Assim, o clube de fornecedores da PSA de Mangualde é composta por 14 empresas e duas entidades não empresarias. Já o da Autoeuropa é mais extenso: tem 19 empresas e nove entidades não empresariais. Em comum aos dois clubes estão duas empresas — a Active Space Automation e a Novares Portugal — assim como a Universidade de Aveiro.

Todas estas entidades têm até 30 de junho para se candidatarem aos 56,4 milhões de euros disponibilizados para o Compete, mas “não há verbas cativas para cada um dos clubes”, explicou ao ECO fonte oficial do Compete, o programa operacional do Portugal 2020 dedicado às empresas. Ou seja, quem tiver maior capacidade é quem aproveita mais os apoios disponibilizados.

Dotação indicativa do fundo a conceder

Fonte: Compete (1) A dotação da formação é a incluída nos Avisos de formação integrada e autónoma, dado que as candidaturas serão apresentadas nesse âmbito

São múltiplos os tipos de projetos que podem ser apoiados, mas todos têm de ajudar à “prossecução da estratégia da respetiva empresa nuclear” — a PSA ou a Volkswagen. Em causa podem estar projetos de investigação e desenvolvimento em copromoção (I&D) ou individuais, “cujo investimento compreende atividades de investigação industrial e desenvolvimento experimental, conducentes à criação de novos produtos, processos ou sistemas ou à introdução de melhorias significativas em produtos, processos ou sistemas existentes”, mas também projetos de inovação produtiva, “apresentados por uma empresa participante na rede de fornecedores, com investimentos de natureza inovadora que se traduzam na produção de novos bens ou serviços alinhados com a estratégia global da respetiva empresa nuclear no quadro de cadeia de valor gerador de maior valor acrescentado”.

São ainda elegíveis projetos de qualificação de PME, para o desenvolvimento de competências em domínios imateriais nas empresas fornecedoras, “de modo a garantir a sua compatibilidade com os níveis de exigência da empresas nuclear e clubes de fornecedores internacionais, incluindo a sua certificação nas normas aplicáveis” e projetos de formação profissional, para a “criação e consolidação de competências críticas ao nível dos recursos humanos (empresários, gestores e técnicos) da empresa nuclear e ou das empresas fornecedoras participantes na rede”.

As regras ditam que “cada candidato apenas pode apresentar uma candidatura a cada uma das tipologias identificadas” já referidas e que as autoridades de gestão se comprometem a tomar uma decisão relativamente à atribuição do incentivo em 40 dias úteis após a entrega da candidatura.

O que é um Clube de Fornecedores?

O objetivo é garantir a integração de PME em cadeias produtivas mundiais através da sua qualificação. Um upgrade conseguido através da colaboração com empresas nucleares que têm um papel relevante nessas cadeias de valor. Assim, as PME ganham escala em áreas que têm procura a nível internacional.

As empresas nucleares têm de cumprir, cumulativamente, uma série de requisitos como trabalhar em setores com “procuras dinâmicas e inseridas em cadeias internacionais”; ter um determinado volume de negócios, de compras a fornecedores de componentes e apresentar uma intensidade exportadora superior a 50%. Além disso, as empresas têm de apresentar uma estratégia de desenvolvimento que dê particular importância à integração de fornecedores nacionais de componentes e matérias-primas e ainda um programa de parceria com os fornecedores.

Depois de identificadas as empresas nucleares, há que escolher um número representativo de empresas fornecedoras, assim como as entidades de interface que vão integrar a rede. Em seguida são definidos os objetivos estratégicos e é feita uma estimativa dos valores envolvidos. Um passo fundamental para, quando são abertos concursos no âmbito do Sistema de Incentivos do Portugal 2020 que vão apoiar os investimentos a realizar nas empresas fornecedoras, já haja uma ideia de qual o montante a que se candidatam.

O Clube de Fornecedores da Autoeuropa

Lista de Participantes Rede VWA – Empresas

Active Space Automation S.A.

Bosch

C. M. E. – Construção e Manutenção Electromecânica S.A.

Celoplás

DRT Rapid – Protótipos e Moldes,Lda.

Dtx

Enancer Electrónica, SA

Fehst – Componentes, Lda.

Follow Inspiration, S.A.

Imeguisa Portugal – Indústrias Metálicas Reunidas S.A.

Introsys – Integration For Robotic Systems – Integração de Sistemas Robóticos, S.A.

Neadvance – Machine Vision, S.A.

Novares Portugal, S.A.

Rari – Construções Metálicas, Engenharia, Projectos e Soluções Industriais, S.A.

Safebag – Indústria de Componentes de Segurança Automóvel, S.A.

Samvardhana Motherson Peguform Automotive Technology Portugal, S.A.

Simoldes-Plasticos, S.A.

Visteon Portuguesa, Lda.

VW Autoeuropa

Rede VWA – Entidades Não Empresariais ATEC

Ceiia

FCT

FEUP

INESCTEC

PIEP – Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros

Universidade Beira Interior

Universidade de Aveiro

Universidade do Minho

O Clube de Fornecedores da PSA

Lista de Participantes Rede PSA – Empresas Active Space Automation, Unipessoal Lda.

Brose – Sistemas de Fechaduras para Automóveis, Unipessoal Lda.

Controlar – Electrónica Industrial e Sistemas, S.A.

Doureca – Produtos Plásticos, Lda.

Europneumaq – Equipamentos Pneumáticos e Hidráulicos, Lda.

Eurostyle Systems Portugal – Indústria de Plásticos e de Borracha, SA.

GESTAMP Cerveira, Lda.

Globaltronic – Electrónica e Telecomunicações, S.A.

Inapal Metal, S.A.

Kaizen Institute Portugal

NOVARES PORTUGAL, S.A.

Peugeot Citroën Automóveis de Portugal, S.A.

Robotsol – Engenharia Industrial, S.A.

Sacia – Comércio e Indústria Automóvel S.A.

Rede PSA – Entidades Não Empresariais

ISR – Instituto De Sistemas e Robótica

UA – Universidade de Aveiro

 

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Clubes de fornecedores da Autoeuropa e da PSA já têm disponíveis 56,4 milhões em apoios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião