Regulador tenta notificar Tomás Correia há três meses

  • ECO
  • 4 Fevereiro 2020

Após dificuldades em notificar o ex-presidente do Montepio, o Banco de Portugal optou por publicar um edital na imprensa. Tomás Correia é acusado de seis infrações.

O Banco de Portugal levou quase três meses para notificar Tomás Correia, ex-presidente da Caixa Económica Montepio, a propósito de uma nova acusação num processo de contraordenação por irregularidades a nível contabilístico no registo de operações financeiras, produtos derivados e por falhas no controlo interno. Perante a impossibilidade de o notificar por correio, a decisão do regulador foi publicá-la em edital, avança o Correio da Manhã (acesso pago).

A decisão foi tomada em dezembro de 2019, mas só nesta segunda-feira o supervisor da banca publicou a notificação de acusação num anúncio na imprensa. O processo, contudo, tinha sido iniciado em março de 2017.

Em causa estão seis infrações de que o ex-presidente do Montepio é acusado, sendo-lhe imputadas coimas que variam entre mil euros e cinco milhões de euros.

Segundo o edital, Tomás Correia é acusado de incumprir o “dever de consistência de políticas contabilísticas de resultados por operações financeiras” e do “incumprimento do dever de manter um sistema de controlo interno”. Mas também de não assegurar “a influência efetiva do sistema de gestão de riscos no processo de decisão do órgão de administração”, não travando ao nível da gestão operações de risco elevado, e de não implementar “um sistema de controlo interno adequado de acompanhamento dos riscos”.

Após a publicação deste edital, Tomás Correia dispõe de 30 dias para contestar a acusação.

(Notícia corrigida às 10h38 na data de decisão do Banco de Portugal)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador tenta notificar Tomás Correia há três meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião