Quem são os galegos que querem comprar o EuroBic?

O Abanca é um dos principais candidatos a ficar com o EuroBic. Banco faz da região da Galiza a sua fortaleza, mas quer expandir-se em Portugal. Apetite comprador não tem faltado aos galegos.

Em 2011, estava Espanha a braços com uma séria crise no seu sistema financeiro, quando várias caixas de aforro da região da Galiza, a norte do Norte de Portugal, tiveram de ser resgatadas pelo Governo: Caixa de Aforros de Vigo, Ourense e Pontevedra e a Caja de Ahorros de Galicia. Só três anos mais tarde, em 2014, é que a Novacaixagalicia — designação então dada ao “novo banco” galego — foi vendida a um grupo com origem na Venezuela, o Banesco. Ainda antes de terminar esse ano, a 1 de dezembro, os acionistas do banco aprovariam uma nova designação da instituição financeira. E, assim, nascia uma nova marca a operar em Espanha: o Abanca.

A história do Abanca é curta. Ainda assim, em poucos anos, o banco liderado por Juan Carlos Escotet conseguiu um lugar de destaque no competitivo setor espanhol.

O Abanca tem sede em Santiago de Compostela. Aliás, o Abanca faz da Galiza a sua grande fortaleza, apesar de estar presente em toda a Espanha. Mais de 500 das 727 agências do Abanca em Espanha estão localizadas em solo galego — isto sem contar com o negócio espanhol adquirido à Caixa Geral de Depósitos (CGD), por 368 milhões de euros.

Fonte: Abanca

Fora de Espanha, conta com mais 54 agências. Mais concretamente, está presente em outros dez países da América e Europa: México, Panamá, Brasil, EUA, Venezuela, França, Reino Unido, Alemanha, Suíça, e… Portugal.

Se a história do Abanca é curta, em Portugal ainda mais. Ainda assim, o mercado português é já o segundo maior mercado para os galegos, após a aquisição da operação de retalho do Deutsche Bank no país — antes disso eram o Abanca era quase desconhecido, trabalhando a partir de apenas quatro pontos. Aquando da apresentação do negócio aos jornalistas, em junho do ano passado, Escotet disse que queria crescer 30% até 2021… sem aquisições. E deu como principal mote para o crescimento em Portugal: “Sem pressas, mas sem pausas”.

Não passaram muitos meses desde esse encontro com os jornalistas. Agora, o banco está na corrida pelo EuroBic, um dos dez maiores bancos por cá. Juan Carlos Escotet, chairman, e Francisco Botas, CEO, foram vistos a entrar na semana passada na sede do banco que está no epicentro do Luanda Leaks e onde a empresária angolana Isabel Santos está a vender a sua posição de 42,5%.

Os espanhóis não correm sozinhos, mas parecem estar na pole position. Além do Abanca, o EuroBic também tem propostas do Reino Unido, Médio Oriente e China, como adiantou o ECO. Os galegos têm demonstrado apetite comprador nos últimos anos — ainda tentou lançar mão do Liberbank no verão passado. Por outro lado, facto de ser um banco a operar na Zona Euro — devidamente autorizado pelo Banco Central Europeu (BCE) — poderá ser um fator de vantagem tendo em conta a celeridade com que se pretende fechar este dossiê.

Com mais de 6.000 trabalhadores, o Abanca fechou setembro de 2019 com lucros de mais de 400 milhões de euros. O volume de negócios (depósitos+crédito) ascende a 85 mil milhões de euros. É um desempenho capaz de colocar o banco galego ombro a ombro com os principais bancos nacionais. Escotet apresenta esta terça-feira as contas anuais a partir de Santiago de Compostela. Sem pressas e sem pausas, está a construir aos poucos um novo gigante na banca ibérica, ao lado de Santander e CaixaBank.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem são os galegos que querem comprar o EuroBic?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião