Exclusivo Negócio fechado. Cofina vai lançar OPA à TVI com Mário Ferreira e Abanca

A Cofina vai comprar a Media Capital por um valor que avalia a empresa dona da TVI em cerca de 255 milhões de euros. Empresário Mário Ferreira e Abanca entram no negócio.

Os últimos dias foram frenéticos. Manuel Mirat e Paulo Fernandes reuniram em Lisboa para fechar um negócio que, em alguns momentos, esteve à beira da rutura. Mas o acordo entre a Cofina e a Prisa está fechado, apurou o ECO junto de fontes que conhecem o negócio. O que falta para o lançamento da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Media Capital? Finalizar os pormenores jurídicos de uma operação complexa que avalia a dona da TVI em torno dos 255 milhões de euros.

A estrutura de capital da operação está também fechada, e como o ECO já tinha revelado, não envolve apenas os atuais acionistas da Cofina. O empresário Mário Ferreira e o banco espanhol Abanca também vão fazer parte de uma operação que obrigará a um aumento de capital da Cofina na ordem dos 80 milhões de euros, necessário para financiar a OPA à Media Capital. Haverá também financiamento bancário de Santander e da Société Générale.

O ECO Insider — a newsletter semanal do ECO exclusiva para assinantes — já tinha avançado o que faltava para o lançamento da OPA, previsivelmente no início da próxima semana. Assim, logo que estas pontas estejam juridicamente atadas, condição necessária para a operação se efetivar, a Cofina anunciará ao mercado a Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Media Capital, e que tudo indica deverá ocorrer no início da próxima semana, apurou o ECO. O negócio entre a Cofina e a Prisa está fechado por um valor que aponta para um enterprise value da Media Capital, isto é, valor de capital mais a dívida, da ordem dos 255 milhões de euros. Mas este valor poderá vir a variar em função do share de audiência média da TVI no final de 2019. Por comparação, a Altice valorizava a Media Capital, em 2017, por 440 milhões de euros.

Quanto vale hoje a Media Capital em bolsa? Cerca de 214,6 milhões de euros, um valor de 2,54 euros por ação, mas quase sem transações. A Prisa, recorde-se, tem 94,69%% do capital, a Abanca tem quase 5,05% e há 0,26% em free float, o que explica que nos últimos seis meses só tenha havido compra e venda de ações em… seis, leu bem, seis sessões. É por isso que o valor do negócio será com outra referência, provavelmente a média dos últimos seis meses, que é de 2,18 euros por ação. Daí que, no final, a compra da Media Capital envolverá uma responsabilidade financeira da ordem dos 255 milhões de euros, incluindo, portanto, cerca de 80 milhões de euros de dívida.

A Cofina tinha um contrato de exclusividade com a Prisa com a duração de 30 dias, que terminava este fim de semana. Mas as negociações começaram, efetivamente, no início de setembro, por causa das férias. E no meio das dificuldades negociais, surgiram notícias que causaram ruído no negócio. Primeiro, a informação de que Isabel dos Santos e a IURD poderiam estar por detrás do negócio, depois a de que Paulo Fernandes impunha o despedimento de jornalistas da TVI, como Judite de Sousa e José Alberto Carvalho, duas informações que as fontes contactadas pelo ECO desmentem de forma categórica.

Como ficam os dois grupos juntos?

Com esta mais do que previsível bem-sucedida operação, os alinhamentos vão mudar. A Cofina/Media Capital passa a ser o maior grupo de media do país, claramente à frente da Impresa, que tem a SIC e Expresso. Vamos aos números:

  • A Cofina faturou 89,9 milhões de euros em 2018, dos quais mais de 12 milhões na CMTV e 76 milhões no segmento de imprensa. O grupo registou um EBITDA de quase 15 milhões de euros e um lucros da ordem dos 6,6 milhões de euros.
  • A Media Capital registou uma faturação de 181 milhões de euros, dos quais 151 milhões de euros da TVI. O grupo detido (ainda) pela Prisa apresentou um EBITDA superior a 40 milhões de euros e lucros consolidados de 20 milhões de euros.

Portanto, face aos resultados de 2018, o novo grupo terá uma faturação acumulada superior a 270 milhões de euros. Só para um termo de comparação, a Impresa faturou 172 milhões de euros em 2018, com um EBITDA de 18,1 milhões de euros e um lucro de 3,1 milhões.

Comentários ({{ total }})

Negócio fechado. Cofina vai lançar OPA à TVI com Mário Ferreira e Abanca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião