Startup Europe lança novo site a pensar na diversidade

  • ECO
  • 4 Fevereiro 2020

A iniciativa de startups da Comissão Europeia lança um "novo site com novos recursos exclusivos para apoiar e criar ecossistemas saudáveis".

Startup Europe é a iniciativa da Comissão Europeia dedicada a startups.D.R.

A Startup Europe, a iniciativa de startups da Comissão Europeia, acaba de lançar uma nova plataforma online que vai incluir recursos exclusivos para “apoiar e criar ecossistemas saudáveis”. Objetivo? Permitir às startups e scaleups, “impulsionadoras do crescimento económico e que criam muitos empregos na União Europeia”, crescerem e ampliarem os seus negócios.

“Este novo site representa a ambição dos objetivos da Startup Europe em encorajar startups em toda a U.E. a evoluírem, recebendo o todo o apoio que precisam. A nossa visão é ajudar a dar visibilidade aos diferentes ecossistemas da Europa que estão aqui por esse motivo, e desenvolver a sua formação, incentivando o diálogo entre eles”, esclarece Pēteris Zilgalvis, Head of Unit da Startup Europe, citado em comunicado.

De acordo com dados avançados pela Comissão Europeia, 88% das startups estão a planear crescimento internacional para um ou mais países nos próximos 12 meses. Nos últimos sete anos, 76% de todo o capital investido na Europa foi para apenas 10 hubs, o que representa 30% do pool total de talentos. A ideia desta nova plataforma é responder à necessidade de um local que agregue o “conhecimento comum para startups, investidores e instituições”.

Conheça melhor os sete novos projetos:

  1. B-HUB FOR EUROPE: terá como alvo startups verticais de tecnologia avançada no domínio blockchain. A iniciativa tem como objetivo descobrir inovações de alto potencial, modelar provas adequadas de conceitos e modelos de negócios, fornecer serviços especializados de aceleração para superar as barreiras atuais do mercado e auxiliar o processo de entrada no mercado, a desbloquear novos canais de mercado com possíveis clientes públicos/privados e a ampliar negócios inovadores em cinco ecossistemas de start-ups na Europa.
  2. INNODEC (Identificação e Comercialização Baseadas em Dados do Radar de Inovação): visa fechar a lacuna entre investidores e projetos de pesquisa. Por um lado, isso é conseguido quando colocam os investidores em contacto com os projetos de pesquisa com maior potencial e, por outro lado, quando treinam os projetos e profissionais na captação de capital. Com isso, cria-se um modelo de negócios e desenvolve-se uma boa estratégia de entrada no mercado. Esta abordagem garantirá a escalabilidade, além de atender simultaneamente à grande diversidade entre projetos e as suas necessidades. Isso é alcançado com base em dados para selecionar os projetos com o maior potencial de mercado e é seguido por suporte personalizado.
  3. MediaMotorEurope: desenvolverá soluções tecnológicas avançadas com potencial para ajudar a indústria de media e criatividade da UE tornar-se um setor ainda mais forte. O seu objetivo é nutrir inovadores europeus de alta tecnologia e visam solucionar os desafios mais importantes da indústria de media de hoje, como: desinformação, acessibilidade, novas interfaces de utilizador e uso de dados. Um dos grandes focos será as soluções de tecnologia profunda, como IA e machine learning, e a sua potencial aplicação no domínio dos media e das indústrias criativas.
  4. Scale-Up Champions: baseia-se na premissa de equalizar as oportunidades de expansão para startups em cinco países representados pelos parceiros do consórcio: Estónia, Lituânia, Polónia, Dinamarca e Espanha. As principais atividades direcionadas são colaboração entre empresas, preparação para investimentos e internacionalização.
  5. Scaleup4Europe: é o estabelecimento de quatro “Scaleup Labs” além-fronteiras. O Scaleup Labs oferece suporte ao Scaleup qualificado para obter a “Prova de escalabilidade”. Os parceiros do projeto propõem a criação de um Scaleup Lab em cada ecossistema para um setor específico da indústria que beneficia significativamente da deeptech (Smart Region, Health Sciences, Agile Manufacturing, AgTech). O Scaleup Labs fornecerá às start-ups de tecnologia profunda uma abordagem estruturada de inovação aberta, na qual elas podem obter sucesso no mercado internacional, através de primeiras colaborações bem-sucedidas com clientes corporativos, investidores e/ou instituições públicas.
  6. STARTUP3: procurará as principais equipas fundadoras para identificar inovações revolucionárias da área de deep tech, dará apoio no ajuste das suas tecnologias/modelos de negócios e alinhará a sua proposta de valor à procura real do mercado. O programa reunirá as principais startups de deeptech e os mais importantes inovadores corporativos – como CVC arms, incubators and accelerators e laboratórios de inovação com o objetivo de catalisar a interação produtiva.
  7. X-Europe: apoiará 150 startups de deeptech e contribuirá para a sua internacionalização, crescimento além-fronteiras e desenvolvimento de novas fronteiras.

Além do desenvolvimento destes projetos, a Startup Europe — fundada em 2011 — quer envolver, cada vez mais, novos públicos já que a criação de uma plataforma “acessível e inclusiva” é uma prioridade. “Os empresários e fundadores, em média, são do sexo masculino (82,8%), possuem diploma universitário (84,8%) e têm 38 anos. (…) Por isso, é mais importante do que nunca criar uma plataforma acessível e inclusiva que incentive uma variedade de perfis a mergulhar como fundadores, ajudados ao longo do caminho por uma série de projetos em toda a UE”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup Europe lança novo site a pensar na diversidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião