Insolvências de empresas aumentam 35% e constituições caem 23% em janeiro

  • Lusa
  • 7 Fevereiro 2020

Os processos de insolvência em Portugal aumentaram 35,1% em janeiro, enquanto a constituição de empresas recuou 23,2%. Porto é o distrito com maior processos de insolvências, seguido de Lisboa.

Os processos de insolvência em Portugal aumentaram 35,1% em janeiro, para 566, face a igual mês de 2019, enquanto a constituição de empresas recuou 23,2%, para 5.120, em termos homólogos, revelou esta sexta-feira a Iberinform.

“As declarações de insolvências requeridas aumentaram 20,7% face a 2019 (atingindo um total de 111 pedidos), enquanto as apresentações à insolvência pelas próprias empresas cresceram 18%, totalizando 118 apresentações”, avança em comunicado a Iberinform, que é uma filial da seguradora Crédito y Caución.

Os dados divulgados permitiram saber que foi declarada a insolvência de 331 empresas (+47,8%) e que no período em análise houve a formalização de seis planos de insolvência, mais três que no ano passado.

Por distritos, o Porto, com 140 insolvências, é o que tem maior número de processos, mais 28,4% face ao ano passado, seguindo Lisboa, com 121 insolvências e um acréscimo de 44%.

Já Braga registou um aumento de 25,5% em relação ao ano passado totalizando 59 insolvências, enquanto Aveiro, com 49 insolvências teve uma subida de 58,1% e Faro com 31 insolvências registou um acréscimo de 72,2%.

Setúbal, por último, surge com um total de 28 insolvências entre os seis principais distritos em total de insolvências.

De acordo com os dados da Iberinform, no primeiro mês deste ano foram criadas 5.120 novas empresas, menos 1.548 que no ano passado.

O número mais expressivo de constituições observou-se em Lisboa, com 1.743 novas empresas (-15,6%), e no Porto, com 880 empresas (-27,7%).

No primeiro mês deste ano, 91% dos distritos apresentam valores inferiores ao período homólogo do ano passado, sendo que as maiores quedas se verificaram em Évora (-48,4%), Leiria (-45,2%) e Aveiro (43,8%).

Apenas Angra do Heroísmo termina o mês de janeiro com uma subida (+5,3%), evoluindo de 19 para 20 novas empresas.

Já na Horta decresceu de 11 para sete constituições (-36,4%) e Ponta Delgada mantém um total de 43 constituições em ambos os anos, enquanto na Madeira há a registar uma queda de 142 para 112 novas empresas constituídas (-21,1%).

Por setores, apenas em dois houve um aumento na constituição de empresas, respetivamente, Transportes (+14,4%) e Eletricidade, Gás, Água (+14,3%).

As quedas afetam 83% dos distritos, sendo que os valores mais significativos se registaram na Indústria Extrativa (-87,5%), Telecomunicações (-41,2%) e Comércio por Grosso (-38,5%).

Em termos de insolvência, em janeiro, os setores dos Serviços e Indústria Transformadora são aqueles com o maior número, 119 e 118 respetivamente, representando subidas 30,8% e 19,2% face ao mesmo mês do ano passado, pela mesma ordem.

As atividades de Telecomunicações e Indústria Extrativa, por sua vez, não apresentam qualquer variação, segundo os dados divulgados pela Iberinform.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Insolvências de empresas aumentam 35% e constituições caem 23% em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião