Este será o primeiro iate do mundo movido a hidrogénio. E, afinal, Bill Gates não é o comprador

  • ECO
  • 10 Fevereiro 2020

O Aqua poderá ser o primeiro iate do mundo movido a hidrogénio. Terá capacidade para 14 convidados e 31 tripulantes. Foi avançado que Bill Gates seria o comprador, algo que a fabricante desmente.

A empresa holandesa Sinot está a construir um super iate movido a hidrogénio, o primeiro do mundo com recurso a esta forma de propulsão. O navio, batizado de Aqua, vai ter cerca de 112 metros de comprimento e deverá ser capaz de atingir uma velocidade de 17 nós (cerca de 32 km/h).

O Aqua tinha sido apresentado no ano passado, na feira de iates do Mónaco, como sendo um navio capaz de percorrer cerca de 6.000 quilómetros, o suficiente para fazer uma viagem de Londres a Nova Iorque sem necessidade de reabastecer. Foi amplamente noticiado que o comprador seria Bill Gates, o histórico fundador da Microsoft, uma informação que foi desmentida pela Sinot já depois da publicação desta notícia.

Esta semana, a imprensa internacional noticiou que Bill Gates, um dos homens mais ricos do mundo, seria o comprador desta embarcação, concordando pagar 644 milhões de dólares pelo navio. A notícia, porém, foi desmentida a 10 de fevereiro pela construtora, apesar de Gates ainda não ter feito qualquer comentário sobre o assunto, avançou a BBC.

A Sinot “não tem qualquer relação comercial” com Bill Gates, garantiu a empresa, num comunicado emitido após a publicação desta notícia: “O Aqua é um conceito em desenvolvimento e não foi vendido ao Sr. Gates”, acrescentou a Sinot. A empresa reforçou também que “não está ligada” a Bill Gates ou a “qualquer” representante do multimilionário, “sob nenhuma forma”.

Segundo o conceito do Aqua, que tinha sido apresentado no ano passado, este navio de luxo terá espaço para receber 14 convidados e 31 tripulantes e irá contar com cinco decks, heliporto, spa, ginásio e piscina infinita. É pouco provável que comece a navegar antes de 2024.

“Para o desenvolvimento do Aqua, inspirámo-nos no estilo de vida de um proprietário perspicaz e prospetivo, na versatilidade fluida da água e na tecnologia de ponta, para combiná-lo num super iate com recursos verdadeiramente inovadores”, tinha explicado o designer Sander Sinot.

(Notícia atualizada a 11 de fevereiro, às 18h12, com desmentido da empresa quanto à informação de que Bill Gates seria o comprador)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este será o primeiro iate do mundo movido a hidrogénio. E, afinal, Bill Gates não é o comprador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião