Depois do recorde, produção de automóveis trava em janeiro

A produção de veículos em Portugal encolheu no arranque deste ano. Dados da ACAP mostram que foram produzidos 29.652 veículos automóveis.

A produção de automóveis nas fábricas portuguesas encolheu no arranque deste ano. De acordo com dados da ACAP, saíram das unidades de produção 29.652 veículos de passageiros e pesados, menos 4,1% do que no mesmo mês do ano passado. Para o travão contribuiu especialmente a quebra registada nos ligeiros de passageiros.

“Em janeiro foram produzidos, em Portugal, 23.415 veículos ligeiros de passageiros, o que representa uma queda de 10,9% face ao período homologo do ano anterior. Nos comerciais ligeiros verificou-se um crescimento de 39,3% face ao mesmo mês do ano anterior, tendo sido produzidos 5.848 veículos”, diz a ACAP, salientando que no caso dos pesados a queda foi de 78,5% para 89 unidades.

Este travão é explicado essencialmente pelos ligeiros de passageiros, os mesmos que permitiram a Portugal brilhar no ano passado — entrando no clube dos países produtores. A ACAP não aponta razões para a evolução negativa registada.

Em 2019, a produção de veículos atingiu um recorde, alcançando as 346 mil unidades, com a Autoeuropa a ser o motor ao produzir 256.900 veículos. O sucesso do T-Roc ajudou.

Mais exportação, mas não para a China

Segundo a ACAP, “a informação estatística relativa ao primeiro mês de 2020 confirma a importância que as exportações representam para o setor automóvel já que 98,1% dos veículos fabricados em Portugal têm como destino o mercado externo“. Esse facto “contribui de forma significativa para a balança comercial portuguesa”, ajudando o PIB a crescer.

“A Europa continua a ser o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em território nacional – com 92,8% – com França (18,5%), Alemanha (18,0%), Itália (15,3%), Espanha (10,6%) e Reino Unido (9,8%) no topo do ranking“, nota a associação, referindo que “nenhum veículo foi exportado para a China”, país que está a ser afetado pelo coronavírus

(Notícia atualizada às 11h22 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois do recorde, produção de automóveis trava em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião