Bancos interessados na participação de Isabel dos Santos na Efacec

  • ECO
  • 15 Fevereiro 2020

Uma das propostas para a aquisição da participação de 67,2% de Isabel dos Santos na Efacec envolve a conversão de créditos bancários em capital.

Isabel dos Santos colocou a sua participação na portuguesa Efacec à venda e têm sido vários os interessados, segundo noticia o Público (acesso pago). Uma das propostas para entrar no capital da Efacec será de um sindicato bancário que é financiador da empresa.

A proposta envolve a conversão de crédito em capital, e estará a ser apresentada por cinco bancos, num grupo que inclui o BCP, o Novo Banco e a Caixa Geral de Depósitos. Depois da conversão de dívidas em capital, seria constituído um veículo que reúne as participações correspondentes a cada instituição. Desta forma, seria possível desbloquear a gestão da empresa.

A aquisição desta participação, de cerca de 67% do capital, teria um caráter temporário por parte dos bancos, que têm como intenção alienar a posição a um investidor que garanta o crescimento da empresa. Este plano terá de receber “luz verde” de Isabel dos Santos.

Este sábado, o Correio da Manhã (acesso pago) noticia ainda que a empresária angolana terá recebido empréstimos da banca no valor total de 420 milhões de euros, entre 2009 e 2015. Os créditos foram concedidos a várias empresas de Isabel dos Santos para comprar ações do BPI, Zon (atual Nos) e Efacec. Do montante emprestado, as empresas terão já pago 306 milhões.

No total, Isabel dos Santos deve cerca de 570 milhões de euros aos bancos, avança o Expresso (acesso pago). O Banco de Portugal pediu aos bancos e auditores uma avaliação dos dossiês de crédito da empresária. A maioria dos créditos bancários das empresas da filha do antigo presidente de Angola concentra-se em três bancos, mas estão divididos por 13 instituições. Cerca de 290 milhões do valor total apurado são responsabilidades potenciais, que não são ainda definitivas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos interessados na participação de Isabel dos Santos na Efacec

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião