Luanda Leaks. Portugal falhou prazo de diretiva de lavagem de dinheiro. Quid iuris?

Em contexto 'Luanda Leaks', as justificações para os atrasos da quinta diretiva europeia de lavagem de dinheiro são ainda mais necessárias e urgentes. Advogados explicam o que está em causa.

O aviso partiu esta semana de Bruxelas: já que não cumpriram o prazo que terminava a 10 de janeiro para a transposição da quinta diretiva comunitária relativa a branqueamento de capitais, os oito Estados-membros têm agora dois meses para explicarem as razões dessa demora. A par com Chipre, Hungria, Holanda, Roménia, Eslováquia, Eslovénia e Espanha, Portugal é um dos visados. Problema? Depois de conhecido a investigação Luanda Leaks, as justificações dessa demora por parte das autoridades portuguesas são ainda mais necessárias e urgentes.

Certo é que 24 horas depois deste aviso, o Governo prontificou-se a explicar que está “na fase final” dos trabalhos. “O Governo está na fase final dos trabalhos de transposição da Diretiva 2018/843/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho (usualmente denominada como a 5.ª Diretiva AML ou Diretiva ‘Anti-Money Laundering’)”, esclareceu o Ministério das Finanças, apontando que “os recentes escândalos” tornam evidente a necessidade de regras rigorosas, explicou à Advocatus do ECO fonte da tutela de Mário Centeno.

A Diretiva da União Europeia (UE) 2018/843, que tinha como prazo de transposição até 10 de janeiro, estabeleceu normas de prevenção da utilização do sistema financeiro para efeitos de branqueamento de capitais ou de financiamento do terrorismo. Aprovada em setembro de 2018, com 634 votos a favor, 46 contra e 24 abstenções, os deputados pugnaram por mudanças nas infrações penais nos diversos países.

Segundo o Ministério das Finanças, estes trabalhos “deverão ainda incluir alterações ao regime jurídico do registo central do beneficiário efetivo e diplomas conexos, no sentido de simplificar procedimentos e aclarar alguns aspetos técnicos que tornarão o registo mais automatizado e adequado à realidade nacional, estando previsto para breve o envio do projeto de diploma à Assembleia da República”, sublinhou o Governo.

O Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação revelou no dia 19 de janeiro mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de Luanda Leaks, que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano utilizando paraísos fiscais. Isabel dos Santos foi constituída arguida pelo Ministério Público de Angola, mas já veio negar as acusações, dizendo-se vítima de um ataque político.

Mas o que pode acontecer a Portugal caso não transponha a diretiva? E a não transposição da diretiva por Portugal torna-se um problema ainda maior à luz do Luanda Leaks? Os advogados contactados pelo ECO/Advocatus explicam.

O que pode acontecer a Portugal caso não transponha a diretiva no prazo?

A demora na transposição de diretivas não é nenhum “drama”, desdramatiza Rui Patrício, lembrando que é recorrente para os países. “Vivemos por modas e por ciclos, e este tema ‘está agora ‘em cima da mesa’, em geral e especialmente ligado a casos concretos”, sublinha o sócio da Morais Leitão. “Esse ‘caldo’ sociológico, institucional e mediático alimenta todo o tipo de exageros, de análises superficiais, e muito sonoras, e de confusões, ao que se junta, como agravante, que há sempre meia dúzia de treinadores de bancada, tudólogos e opinadores profissionais a cavalgar estes temas, alimentando o ruído e a dramatização”, nota o advogado.

Rui Patrício considera que o sistema jurídico português está suficientemente “apetrechado” e que nem houve tempo ainda para “digerir e “estabilizar” a transposição da quarta diretiva, cheia de questões, problemas e excessos, segundo o próprio, quanto mais transpor a quinta diretiva.

Esse ‘caldo’ sociológico, institucional e mediático alimenta todo o tipo de exageros, de análises superficiais, e muito sonoras, e de confusões, ao que se junta, como agravante, que há sempre meia dúzia de treinadores de bancada, tudólogos e opinadores profissionais a cavalgar estes temas, alimentando o ruído e a dramatização.

Rui Patrício

Já José Maria Corrêa de Sampaio e Ana Rita Duarte Campos consideram que esta não transposição da diretiva, faz com que Portugal corra o risco de ser alvo de um “processo por infração” e ver-lhe dirigida uma ação junto do Tribunal da Justiça da UE, por parte da Comissão. Porém, os sócios da Abreu Advogados consideram que as normas vigentes no ordenamento jurídico português neste âmbito são já “bastante completas e cumprem a sua função”.

“Esta nova diretiva introduz, no entanto, um número significativo de medidas que visam harmonizar os instrumentos jurídicos dos vários países nestas matérias, tendo como objetivo declarado e muito sumariamente, fazer face a novos meios de financiamento do terrorismo internacional, como seja o uso de moedas virtuais, cartões pré-pagos anónimos e outras. E define novos requisitos para a identificação de pessoas politicamente expostas, identifica territórios ou países de risco que merecem um acompanhamento mais rigoroso”, nota José Maria Corrêa de Sampaio.

O sócio da área de penal & compliance da CCA Law Firm, Henrique Salinas, considera que os incumprimentos são sempre inconvenientes. Porém, estando a diretiva “publicada no jornal oficial” e “destinando-se a entidades que operam no sistema financeiro”, o atraso de cerca de um mês “não trará consequências muito graves”. E adianta ainda que, na sua opinião, “não será a medida com a maior prioridade em matéria penal, tanto mais que” em Portugal já está “em vigor a obrigação de identificação dos últimos beneficiários das pessoas coletivas”, refere Henrique Salinas.

Menos otimista é a advogada da Antas da Cunha Ecija, Sofia Matos, que considera que o incumprimento de Portugal perante a transposição das normas demonstra “falta de compromisso”. “Esta omissão demonstra bem a falta de compromisso do Estado português na transposição de Diretivas Europeias que visam harmonizar a legislação dos Estados-membros no combate nesta matéria que foi eleita por este Governo como bandeira política”, assegura.

Esta omissão demonstra bem a falta de compromisso do Estado português na transposição de Diretivas Europeias que visam harmonizar a legislação dos Estados-membros no combate nesta matéria que foi eleita por este Governo como bandeira política.

Sofia Matos

“Não considero que Portugal verdadeiramente tenha qualquer incumprimento substancial em transposição de medidas legais de combate ao BC/FT, desde logo porque a anterior diretiva foi por Portugal transcrita com uma violência, rigor e abrangência que nenhum outro dos três países que a tinham transposto em 2019 o fez”, defende, por seu turno, Paulo Saragoça da Matta. “Ademais, a transposição de qualquer nova Diretiva, como é sabido, demora por natureza e definição tempo – é por não se pensar seriamente a transposição e os seus efeitos no edifício jurídico global que começamos a ter situações totalmente incongruentes no sistema legal, com normas com comandos contraditórios, opostos ou pelo menos incompreensíveis”.

O advogado admite ainda que gostaria “de ver a se a reação da UE seria a agora vista se algum alegado escândalo ocorresse no Reino Unido (até agora) ou na Alemanha, no âmbito de branqueamento de capitais ou financiamento do terrorismo. Ademais, a inexistência de escândalos nesses países, ou em França e Itália, pode dever-se não à existência de um sistema legal perfeito, mas a uma inação ou deficientes enforcement policies por parte das autoridades“, sublinha.

Para Sofia Matos, a não transposição da diretiva por Portugal levanta a dúvida se é “falta de compromisso” ou “inconsciência consciente”, uma vez que o país tem 22 situações pré-contenciosas levantadas pela Comissão Europeia por “atrasos na transposição de diretivas comunitárias para a legislação nacional”.

Não considero que Portugal verdadeiramente tenha qualquer incumprimento substancial em transposição de medidas legais de combate ao BC/FT, desde logo porque a anterior diretiva foi por Portugal transcrita com uma violência, rigor e abrangência que nenhum outro dos três países que a tinham transposto em 2019 o fez.

Paulo Saragoça da Matta

A advogada da Antas da Cunha ECIJA explicou ainda à Advocatus do ECO a emergência da transposição da Diretiva, face à “emergência transnacional” sentida. Apesar de toda a legislação já existente no ordenamento nacional, Sofia Matos garante que o sistema continua a não funcionar porque “as entidades visadas obrigadas aos deveres de informação não transmitem às entidades reguladoras ou de investigação criminal, as suspeitas de existência de operações suscetíveis de ser enquadradas no crime de branqueamento de capitais”.

Após o incumprimento, a sócia da CRS, Raquel Galinha Roque admite que a fama que precede Portugal não “abona” a favor do país, apesar de “Portugal ter vindo a melhorar o seu ranking no cumprimento da sua obrigação de transposição do direito comunitário para o direito nacional”.

“O país da UE pode ser condenado a cumprir certas medidas, caso entenda que houve violação do direito da UE e caso este persista em não cumprir com o Acórdão, a Comissão Europeia pode remeter novamente o caso ao TJUE e o país da UE ser condenado no pagamento de uma quantia fixa ou uma sanção pecuniária compulsória ou ainda serem-lhe impostas sanções financeiras, para o caso de não transpor a diretiva ou sequer justificar a sua não transposição ou medidas tomadas nesse sentido”, explica a sócia, caso Portugal não transponha a diretiva.

A não transposição da diretiva torna-se um problema ainda maior, à luz do Luanda Leaks?

Rui Patrício é assertivo: “Não! E o ponto de exclamação resulta essencialmente do que disse antes. Ao que acrescento que lamento que ainda não se tenha aprendido duas coisas: uma, que mudar a lei a respeito de casos concretos não é bom; outra, que fazer da Justiça e afins um espetáculo é péssimo. E fico por aqui”.

Já a sócia da CRS, Raquel Galinha Roque, admite que se os factos tivessem sido hoje praticados “dificilmente teriam passado despercebidos e rapidamente detetados quer pelos diferentes sujeitos que nele intervieram quer pelas entidades obrigadas ao controlo como entidades bancárias e a CMVM evitando-se muito provavelmente o alegado branqueamento de capitais ou pelo menos o controlo dos beneficiários efetivos”.

[Se os factos tivessem sido hoje praticados] dificilmente teriam passado despercebidos e rapidamente detetados quer pelos diferentes sujeitos que nele intervieram quer pelas entidades obrigadas ao controlo como entidades bancárias e a CMVM.

Raquel Galinha Roque

José Maria Corrêa de Sampaio e Ana Rita Duarte Campos, sócios da Abreu Advogados não consideram que influencie, contudo, “a não transposição desta diretiva poderá desde logo causar um dano reputacional ao país, neste momento ampliado pela existência do Luanda Leaks”.

Já o sócio da CCA, Henrique Salinas, defende que concerne à influência que possa ter no caso Luanda Leaks, diz apenas que “estando em causa medidas preventivas, as mesmas não serão relevantes para factos já praticados há vários anos”.

Com o caso Luanda Leaks bem se vê que Portugal está exposto a uma total vulnerabilidade, onde nem a existência de uma Lei de Branqueamento de Capitais de 2017 foi suficiente para dissuadir a utilização de Portugal como plataforma de um esquema fraudulento que se ramificou por diversos países.

Henrique Salinas

“Problema maior sim, mas apenas do ponto de vista da imagem política do nosso Estado face aos parceiros europeus”, sublinha a advogada da Antas da Cunha ECIJA, Sofia Matos. “Já que com o caso Luanda Leaks bem se vê que Portugal está exposto a uma total vulnerabilidade, onde nem a existência de uma Lei de Branqueamento de Capitais de 2017 foi suficiente para dissuadir a utilização de Portugal como plataforma de um esquema fraudulento que se ramificou por diversos países. Não bastam as Leis e as Diretivas comunitárias existirem, é preciso fazer aplicar a Lei. Se não existir vontade política não há Diretivas que nos salvem!”, remata.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Luanda Leaks. Portugal falhou prazo de diretiva de lavagem de dinheiro. Quid iuris?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião