Casa Barbot no centro de Gaia será requalificada. Vai abrir como polo de cultura

  • Lusa
  • 17 Fevereiro 2020

As obras na Casa Barbot vão avançar e o espaço abrirá como polo de cultura para exposições e lançamento de livros, anunciou a câmara de Gaia. As obras vão custar 300 mil euros.

As obras na Casa Barbot, equipamento cultural localizado na Avenida da República em Vila Nova de Gaia, vão avançar e o espaço abrirá como polo de cultura para exposições e lançamento de livros, anunciou esta segunda-feira a câmara local.

“A empreitada vai avançar finalmente para concurso, depois de um massacre de ano e meio, quase dois anos, de burocracias. Percebo que quem passe ali diga: ‘uma coisa tão bonita, mas não ata nem desata’. Percebo perfeitamente, mas a alternativa era fazer alguma coisa que não cumpra a lei e depois estaríamos em maus lençóis”, disse o presidente da câmara, Eduardo Vítor Rodrigues.

O autarca, que falava aos jornalistas à margem de uma reunião camarária, disse que as obras vão custar 300 mil euros, recordou que a casa foi fechada porque “apresentava riscos sérios” e se queria “evitar males maiores” e indicou que será ali instalado um polo de cultura integrado na rede de equipamentos do concelho.

A Casa Barbot é uma antiga residência unifamiliar, erguida em 1904 por iniciativa do vianense Bernardo Pinto Abrunhosa, seu primeiro proprietário, no entanto, o nome pelo qual é conhecido o edifício provém de Ermelinda Barbot, proprietária do imóvel em 1945.

Classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1982, a Casa Barbot foi adquirida pela Câmara de Gaia que ali instalou sede do Pelouro da Cultura, Património e Turismo, mas entretanto fechou o espaço para obras de recuperação.

Já sobre a Oficina Soares dos Reis, um espaço localizado na União das Freguesias de Santa Marinha e São Pedro da Afurada que chegou a ser propriedade de O Primeiro de Janeiro, sendo agora da Universidade do Porto, Eduardo Vítor Rodrigues revelou aos jornalistas que a requalificação “está neste momento em concurso”.

Em causa está um ateliê construído na segunda metade do século XIX, a pedido do escultor António Soares dos Reis, para funcionar como casa-oficina, tendo ele próprio delineado o projeto executado por um arquiteto seu amigo, José Geraldo Sardinha.

Em abril de 2017, a Câmara de Gaia e a Universidade do Porto assinaram um protocolo com vista a agilizar obras no espaço.

“Em breve teremos a situação resolvida. Este projeto teve um percurso marcado pela estabilização de relação com a Universidade do Porto que tinha muita vontade, mas não tinha recursos, pelo que será a Câmara a assumir”, disse o autarca.

A obra custará cerca de 220 mil euros e foi alvo de candidatura Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU).

Também questionado sobre o restauro da capela Senhor D’Além, equipamento da Diocese do Porto que se localiza na escarpa da Serra do Pilar, Eduardo Vítor Rodrigues apontou que as obras avançam “antes de abril”.

A obra terá o valor de 300 mil euros, sendo comparticipada em 30% pelo PEDU.

A capela do Senhor D’Além é património religioso propriedade da Diocese do Porto, estando a sua génese assente numa imagem do Senhor Crucificado que data de 1140, enquanto a última celebração das Festas do Senhor D’Além data de 1997.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casa Barbot no centro de Gaia será requalificada. Vai abrir como polo de cultura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião