Má qualidade do ar? A resposta está no telemóvel, à distância de uma app

Bruxelas diz que Portugal não cumpre as leis europeias da qualidade do ar. Ministério do Ambiente garante que os dados estão disponíveis online e em tempo real, no computador ou no telemóvel.

A Comissão Europeia anunciou o envio de um “parecer fundamentado” a Portugal – o segundo e último passo de um processo de infração a um Estado-membro por incumprimento da legislação comunitária antes do recurso a tribunal -, no qual dá um prazo de dois meses a Portugal para aplicar efetivamente a legislação europeia relativa à qualidade do ar, após o que recorrerá para o Tribunal de Justiça da União Europeia.

A Comissão justificou o envio de um parecer fundamento a Portugal “uma vez que o país ainda não cumpriu as suas obrigações”.

Em reação, o Ministério do Ambiente e da Ação Climática quis dar conta da sua atuação na área da qualidade do ar, informando que aguarda a notificação da Comissão Europeia relativamente ao incumprimento da legislaçãopara se inteirar do seu teor”, disse o MAAC em comunicado.

“Portugal dispõe de uma rede de monitorização da qualidade do ar cujos dados estão disponíveis online e em tempo realhttps://qualar.apambiente.pt. Esta rede foi financiada com fundos provenientes do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR) e inclui uma aplicação para telemóvel, da qual se destacam as seguintes funcionalidades: previsão de qualidade do ar; avisos e conselhos de saúde em função do índice de qualidade do ar previsto; previsão da qualidade na Europa; índices de qualidade do ar na estação de medição mais próxima; previsão meteorológica“, sublinhou a tutela no mesmo comunicado.

Além disso, referiu ainda o ministério dirigido por João Pedro Matos Fernandes, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) promoveu, em 2019, uma campanha de comunicação para promover comportamentos que melhorem a qualidade do ar (“Por um País com Bom Ar”). Através de uma Resolução de Conselho de Ministros, também de 2019, foi instituído o Dia Nacional do Ar (comemorado a 12 de abril), “uma forma de alertar, sensibilizar e envolver a sociedade no fomento da responsabilidade pessoal e de motivar para a proteção da qualidade do ar”.

A somar à Estratégia Nacional para a Qualidade do Ar, documento que será concluído e divulgado este ano, garante o MAAC, foi inscrita uma verba específica no orçamento da APA – cerca de 180.000 euros – para a gestão da qualidade do ar. “Acrescem ainda as verbas do Fundo Ambiental para o cofinanciamento de projetos de inventariação, monitorização e comunicação da qualidade do ar (destinadas às comissões de coordenação e desenvolvimento regional, atingem 240 mil euros) e as previstas para apoio de projetos de Educação Ambiental com enfoque na qualidade do ar (até 500 mil euros)”, frisou o ministério.

Ainda assim, o Executivo de Bruxelas apontou no seu “parecer fundamentado” enviado a Portugal que “o sistema nacional deve, com fiabilidade, medir, informar o público e comunicar a gravidade da poluição atmosférica. Os valores-limite relativos ao dióxido de azoto (NO2) são ultrapassados em várias zonas, ao passo que os dados disponíveis mostram a ineficácia das medidas tomadas para reduzir a poluição atmosférica”.

Portugal dispõe de dois meses para responder e tomar as medidas necessárias para estabelecer o bom funcionamento do sistema de controlo da poluição atmosférica. Se Portugal não atuar no prazo de dois meses, a Comissão pode decidir submeter o caso ao Tribunal de Justiça da União Europeia”, advertiu Bruxelas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Má qualidade do ar? A resposta está no telemóvel, à distância de uma app

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião