Garrafas “amigas do ambiente” Eco reduzem em 100 toneladas o uso de plástico

As garrafas de água Eco já reduziram em mais de 100 toneladas a utilização do plástico. Agora vai reforçar a aposta e lançar uma garrafa de 1,5 litros.

A Eco, empresa que vende garrafas de água reutilizáveis, já reduziu em mais de 100 toneladas a utilização de plástico com a comercialização do seu produto. A marca “amiga do ambiente” vai reforçar a oferta e lançar uma garrafa de 1,5 litros.

A marca que se compromete a ser uma “solução pioneira e disruptiva no mercado nacional”, com o intuito de criar uma “nova forma de consumir água, que seja mais sustentável” e consiga ajudar o planeta, conseguiu reduzir mais de 100 toneladas de plástico entre setembro de 2018 e janeiro de 2020, anunciou a empresa em comunicado.

Presente em mais de 130 supermercados do Pingo Doce através de uma parceria com a retalhista Jerónimo Martins, a Eco vai reforçar a aposta neste âmbito ao lançar uma garrafa de 1,5 litros. Até agora, a única alternativa oferecida era a garrafa de três litros, sendo que cada abastecimento custa 18 cêntimos.

“O lançamento desta nova garrafa de 1,5 litros vem responder às necessidades e hábitos de consumo dos nossos clientes e estamos certos de que a aceitação será imediata”, afirma André Paiva, partner do Eco, citado na nota de imprensa.

As garrafas de água Eco são produzidas para serem reabastecidas na estação da marca. Nesta estação, a água passa por um processo de filtragem em 3 etapas: filtro de sedimentos, onde se retêm partículas físicas e outro género de impurezas que a água possa conter, o filtro de carvão ativado, através do qual se retêm os químicos presentes na água, e, por fim, a lâmpada ultravioleta, através da qual se esteriliza a água.

Aquando do lançamento, em setembro de 2018, a Eco anunciou à Lusa um investimento de cinco milhões de euros para criar 500 estações de fornecimento de água filtrada em sistemas self-service.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Garrafas “amigas do ambiente” Eco reduzem em 100 toneladas o uso de plástico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião