Carris passa a ser metropolitana até meados de 2021. Depois será a Soflusa e o Metro

  • Lusa
  • 18 Fevereiro 2020

Todos os autocarros na Área Metropolitana de Lisboa vão pertencer à marca única Carris Metropolitana até meados de 2021, assim como a Soflusa e o Metro.

Todos os autocarros na Área Metropolitana de Lisboa (AML) vão pertencer à marca única Carris Metropolitana até meados de 2021, segundo um concurso apresentado esta terça-feira pela AML, que pretende nos próximos anos gerir também a Soflusa/Transtejo e o Metropolitano.

A AML lançou hoje um concurso público internacional no valor de 1,2 mil milhões de euros, o “maior concurso que o país já alguma vez lançou do ponto de vista de serviços rodoviários”, para melhorar o serviço de transporte público rodoviário nos seus 18 municípios. Segundo Fernando Medina, o mais tardar até meados do próximo ano a frota de autocarros, dividida em quatro lotes de concessão, vai funcionar segundo uma marca única: a Carris Metropolitana.

O que vamos ter é mais de 40% da oferta de autocarros do que havia hoje, numa rede única. O que é que significa isto? Significa que vamos ter novas linhas, novas ligações que não existiam até agora. Vamos ter nas ligações existentes mais oferta, isto é mais pontualidade, menos intervalo entre autocarros. E vamos ter também horários em que esses autocarros não existiam e que vão passar a existir em horários noturnos, em horários de fim de semana”, disse.

“Pela primeira vez é feita uma rede que é desenhada de raiz, em que se tem em conta as necessidades das pessoas e aquilo que são os trajetos que as pessoas necessitam fazer. Ora isto no conjunto dos 18 municípios da AML”, acrescentou. Este megaconcurso internacional será um passo para que a AML comece a gerir todos os restantes transportes públicos na sua área, entre os quais a Soflusa, a Transtejo e o Metropolitano de Lisboa.

Segundo o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, presente na cerimónia, “não faz qualquer sentido que ministro algum se ponha em bicos de pés a dizer que isto é meu”, quando as autarquias, que estão mais próximas das pessoas, poderão realizar uma boa gestão. Foi por isso que a Carris foi entregue à Câmara de Lisboa, salientou. “É com expectativa que nós vemos a opção que vai ser desenhada pela AML para muito depressa criarmos condições para que a Transtejo e a Soflusa sejam geridas por esta Empresa Metropolitana de Lisboa ou pelas autarquias que, dentro dela, a quiserem gerir”, sublinhou.

O ministro assegurou que o Governo não se vai desresponsabilizar de nada, porque “o concurso está lançado, os barcos vão ser adquiridos, estarão aí no prazo certo”, e está disponível para ajudar nos novos modelos de gestão que venham a ser concretizados.

“Faz sentido ser o Estado central a gerir esta empresa? Não faz e o mesmo digo relativamente ao Metropolitano de Lisboa, reconhecendo que, aqui, há um esforço de investimento muito grande a ser feito”, disse, considerando que o Governo está disponível para discutir a entrega deste meio de transporte, mas pretende “entregar o Metropolitano de Lisboa com uma rede muito mais robusta do que aquela que hoje já tem”.

“Parece-nos que, se calhar, é prematuro imaginar uma situação de transferência a um/dois anos”, disse. Segundo o ministro, cabe agora à AML e às suas autarquias “definir quais são os grandes investimentos que virão aí”, se “serão no Metro, no Metro Ligeiro ou em modelos de BRT” (autocarros rápidos).

“Já agora, se existe no PNI [Programa Nacional de Investimentos 2030] uma repartição entre estes valores, não percam muito tempo com ela”, disse, destacando que “há mil e 100 milhões de euros para investir no próximo ciclo” e “isso é que conta”. “Ficamos mesmo à espera da vossa proposta. Queremos mesmo que essa proposta seja uma proposta articulada”, sublinhou, salientando que o Governo estará “sempre disponível” para “participar na gestão dos novos modos de transporte que possam vir a ser concretizados”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carris passa a ser metropolitana até meados de 2021. Depois será a Soflusa e o Metro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião