Carris, CP e Metro de Lisboa reforçam transporte público para a noite de passagem de ano

  • Lusa
  • 31 Dezembro 2019

Além do Metropolitano funcionar até às 4h00, a Carris e a CP - Comboios de Portugal vão reforçar o serviço disponível.

A Câmara de Lisboa apelou à utilização de transportes públicos na passagem de ano, referindo que, além do Metropolitano funcionar até às 04h00, a Carris e a CP – Comboios de Portugal vão reforçar o serviço disponível.

Além do reforço de transportes públicos, a autarquia reiterou que “os acessos ao Terreiro do Paço estarão interditos ao trânsito a partir das 17h00”, uma vez que os festejos da entrada de 2020 vão decorrer na Praça do Comércio.

O serviço da rodoviária Carris vai ser reforçado, a partir das 00:00 de quarta-feira, nas carreiras 201, 207 e 210 a partir do Cais do Sodré, Rossio e Santa Apolónia.

Nas estações mais próximas do Terreiro do Paço, designadamente Santa Apolónia, Rossio, Cais do Sodré, bem como as de Santos, Alcântara e Oriente, também próximas de locais de maior animação, a CP vai ter a circular “comboios especiais para a viagem de regresso a casa, com paragens em todas as estações”.

O Metropolitano de Lisboa vai funcionar até às 4h00, nas linhas Azul e Verde, mantendo várias estações abertas, de modo a apoiar as festividades.

Na linha Azul, as estações que vão estar abertas são Reboleira, Amadora Este, Pontinha, Colégio Militar, Jardim Zoológico, São Sebastião, Marquês de Pombal, Restauradores e Baixa Chiado.

Já na linha Verde, vão estar abertas as estações de Telheiras, Campo Grande, Areeiro, Alameda, Anjos, Rossio, Baixa-Chiado e Cais do Sodré.

Segundo informação da Câmara de Lisboa, a estação de metro do Terreiro do Paço estará encerrada entre as 18h00 de hoje e as 6h30 de quarta-feira.

Na quarta-feira, dia 1 de janeiro, entre as 3h00 e as 7h00, a Polícia Municipal vai fazer fiscalização de trânsito, com particular incidência sobre o consumo de álcool, na Avenida 24 de Julho, Avenida de Ceuta e Marquês de Pombal.

A noite de passagem ano na Praça do Comércio vai ser animada com concertos dos Xutos e Pontapés e dos Ornatos Violeta, mas o trânsito de acesso àquela zona vai estar cortado a partir das 17h00, e vão ser montados nove pontos de entrada com revista.

Os cortes de trânsito acontecem no viaduto de Santa Apolónia, na Avenida 24 de Julho com a D. Carlos I, Rua de São Paulo, Praça Duque da Terceira/Cais do Sodré, Rua do Arsenal, Avenida Infante D. Henrique, Rua da Alfandega, Rua Vitor Cordon, Restauradores Sul, Rossio, Praça da Figueira e Rua da Conceição.

“A Praça do Comércio vai ser tratada como recinto fechado. O perímetro será fechado recorrendo ao mobiliário urbano e gradeamento, com sistemas que vão acautelar a não entrada de viaturas no terreno”, frisou a comissária Sofia Gordinho, do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP.

A baixa da cidade de Lisboa irá contar também com o sistema de videovigilância, não estando previsto o uso de drones.

À semelhança dos anos anteriores, não vai ser permitida a entrada no recinto de garrafas e copos de vidro, bem como chapéus-de-chuva com hastes compridas, megafones, mochilas de tamanho superior a A3, apontadores de laser, ‘selfie sticks’ ou buzinas de ar comprimido.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carris, CP e Metro de Lisboa reforçam transporte público para a noite de passagem de ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião