TAP admite cancelar 1.500 voos por falta de slots no aeroporto de Lisboa

Antonoaldo Neves deverá anunciar, na apresentação de contas da TAP, o cancelamento de voos porque não foram feitas as obras de expansão do aeroporto a tempo e horas.

A TAP admite anunciar, já na primeira semana de março, o cancelamento de 1.500 voos agendados para o período de verão no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, apurou o ECO junto de fontes do mercado turístico que já foram informadas pela companhia desta possibilidade. Em causa estarão, em média, cerca de 100 passageiros por voo, o que corresponderá a 150 mil passageiros. A gestão executiva da companhia — que vai anunciar na próxima quinta feira prejuízos superiores a 100 milhões de euros em 2019 — considera que só há 15 dias para as entidades envolvidas, nomeadamente o Governo, a NAV e a ANA (Venci), corrigirem a situação.

Antonoaldo Neves, o presidente executivo da TAP, já terá informado não só o setor turístico como também a ANA, a concessionária do aeroporto, e NAV (que gere o espaço aéreo português), a ANAC, a Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) e o próprio Governo. E vai dramatizar os riscos que estão em causa já na próxima conferência de imprensa, agendada para quinta-feira, quando anunciar oficialmente os prejuízos de 2019. Como o ECO revelou em primeira mão, foram superiores a 100 milhões de euros em 2019, depois dos 118 milhões de perdas em 2018.

A cada ano, as companhias de aviação projetam o número de movimentos previstos tendo em conta objetivos de voos, passageiros e receitas, mas isso está sempre dependente da existência de ‘slots’, na prática a autorização para levantar o aterrar num aeroporto. A TAP terá fixado um número de voos para 2020 que, entretanto, não poderá realizar por causa do esgotamento do aeroporto de Lisboa. Contactada oficialmente, a TAP escusou-se a fazer comentários e remeteu esclarecimentos para a conferência de resultados.

Serão cerca de 1.500 voos, com uma media de 100 passageiros por voo, só no caso da TAP. E mais 1.500 voos das outras companhias. Uma fonte da confederação do turismo revela-se preocupada com o efeito destes cancelamentos — alguns dos voos já estarão mesmo pré-agendados — no afluxo de turistas em Portugal, mas admite que não há uma solução à disposição no espaço de 15 dias. “Seria necessário o envolvimento de diversas entidades, e mudar por exemplo os voos de jatos privados em Lisboa e as horas extraordinárias no aeroporto”. Ainda recentemente, recorde-se, foi notícia a aprovação de dezenas de autorizações para a construção de novos hotéis em Lisboa.

Outra fonte da aviação, contudo, não deixa de salientar que a TAP já sabia que não haveria condições para realizar esses voos e só suscitou a questão já no final do mês de janeiro numa reunião com o Governo. “Será uma forma de esconder os prejuízos de 2019?”, questiona. A mesma fonte acrescenta que estas restrições só se resolverão com as obras de expansão do aeroporto, que permitirão passar dos atuais 38 voos/hora (em média) para cerca de 50 voos”, diz a mesma fonte. Mas isso vai demorar tempo.

Em pano de fundo volta a estar, também aqui, a relação difícil, às vezes em privado, mas também em público, da TAP com a ANA. As críticas de Antonoaldo Neves à gestora de aeroportos nacionais foram feitas, desta vez, numa entrevista ao El País. “Não sabia nada de aeroportos. Portugal foi a sua primeira experiência”, disse o gestor.

O presidente da TAP tinha também afirmado ao El País que projeto da Vinci [ANA] para a expansão do aeroporto “só favorece 20% dos movimentos”. “Oferecemos uma solução que favorecia 100% dos movimentos, mas a Vinci não quis. Propusemos pagar a obra, mas [a Vinci] também não quis”, acrescentou. “É incompreensível a sua posição, quero crer que é um grupo que não sabe nada de aviação quando aqui chegaram e que, no futuro, fará melhor”.

O presidente da TAP tinha afirmado que projeto da Vinci [ANA] para a expansão do aeroporto “só favorece 20% dos movimentos”. “Oferecemos uma solução que favorecia 100% dos movimentos, mas a Vinci não quis. Propusemos pagar a obra, mas [a Vinci] também não quis”, acrescentou.

A resposta da ANA não se fez esperar. Em declarações ao ECO, o chairman da ANA, José Luís Arnaut, foi claro. “A ANA desmente que alguma vez tenha havido qualquer proposta de financiamento das infraestruturas por parte da TAP. Seria, aliás, estranho uma empresa maioritariamente do Estado, ou seja pública e deficitária estar a financiar uma empresa privada lucrativa concessionária do Estado”.

Sobre a expansão do aeroporto, Arnaut contrariou as análises do presidente executivo da TAP. “Neste sentido, a saída rápida em construção oferecerá aos aviões de tipo A320 ou B737 a possibilidade de sair mais rapidamente da pista 03, contribuindo para uma utilização mais eficiente da pista, reduzindo o tempo de circulação dos aviões, das emissões de CO2, e permitindo uma melhor absorção dos atrasos, sendo por todos estes motivos benéfico para todos. Sendo uma opção, ninguém estará obrigado a utilizar essa saída rápida. Vários operadores, que também conhecem os aviões, já confirmaram a intenção de a utilizarem”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP admite cancelar 1.500 voos por falta de slots no aeroporto de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião