Paulo Fernandes quer TVI de novo na liderança. Aposta no online e em novos mercados

A Cofina já desenhou a estratégia para a "nova" Cofina, após a compra da Media Capital. A empresa quer conquistar mais mercado, liderar nos vários segmentos e apostar na internacionalização.

A Cofina admite que a compra da Media Capital é um “esforço de investimento expressivo” e que acarreta vários riscos. Mas a estratégia de Paulo Fernandes para a fusão entre os dois grupos de comunicação já foi definida: conquistar mais mercado, liderar nos vários segmentos e apostar em novos mercados estrangeiros.

O plano está explicitado no prospeto do aumento de capital, divulgado esta terça-feira pela Cofina, através da CMVM. Nele, surge indicado que a compra da dona da TVI vai permitir à Cofina “tornar-se um grupo integrado e mais competitivo de media em Portugal, com posição de revelo nos principais segmentos de mercado”, da televisão à publicação de jornais e revistas, e da rádio ao digital, passando pela produção audiovisual.

Posto isto, na área televisiva, em que a Cofina passará a controlar os canais TVI e CMTV, entre outros, a empresa define um ambicioso conjunto de objetivos. E um deles é que a estação de Queluz de Baixo volte a ser líder de audiências, depois de ter perdido o primeiro lugar do pódio para a concorrente SIC em 2019: “Nos canais abertos, [a Cofina quer] recuperar a primeira posição que já foi ocupada pela TVI, assume, ao mesmo tempo que, nos canais pagos, a intenção é “manter” a liderança da CMTV.

A Cofina pretende ainda “aproveitar as sinergias operacionais decorrentes de uma operação com maior escala no setor televisivo”, bem como “otimizar e desenvolver a produção de conteúdos”.

Quanto às áreas de rádio e imprensa escrita, “a Cofina propõe-se manter as atuais posições de liderança da rádio Comercial e do Correio da Manhã, respetivamente, e reforçar a eficiência operacional do grupo já consolidado. E assume que “ambiciona reforçar” a oferta no digital, “apostando na inovação e alavancando as plataformas já existentes” da Cofina e da Media Capital.

Do ponto de vista do negócio, a empresa assume perante os investidores que pretende aumentar a “dimensão” do grupo, fazendo crescer o EBITDA, a métrica que diz respeito aos lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações, reforçando também a respetiva “solidez financeira”. Este plano, explica, tem três eixos: apostar noutros segmentos de media, fomentar a consolidação dos dois grupos e avaliar a “internacionalização para mercados naturais”.

Em linhas gerais, esta é a ambição que leva a dona da CMTV a pagar 205 milhões de euros pela dona da TVI, dando origem ao maior grupo de comunicação social do país, numa operação que já mereceu “luz verde” por parte dos reguladores. A expectativa da Cofina é que “a aquisição permita gerar um grupo mais preparado para enfrentar os desafios que se colocam atualmente à indústria dos media, em especial à imprensa tradicional”, lê-se no prospeto.

Em suma, “o plano estratégico da Cofina, após a aquisição do grupo Media Capital, foca-se na inovação e lançamento de novos produtos e captação de maior audiência”, assim como na “melhoria” da “eficiência operacional dos vários negócios” que passarão a estar agrupados debaixo da chancela de um mesmo grupo.

Paulo Fernandes vai ficar à frente daquela que será a maior empresa de comunicação social do país, resultante da fusão da Cofina com a Media Capital.MIGUEL A. LOPES/LUSA

Esta segunda-feira, foi tornado público que a CMVM aprovou o aumento de capital que vai permitir à Cofina adquirir a Media Capital. A operação envolve uma injeção de 85 milhões de euros na empresa, que já está garantida em, pelo menos, 70% e arranca há no próximo dia 20 de fevereiro.

Foi também divulgado um esquema da estrutura acionista da “nova” Cofina pós-aumento de capital, de acordo com os compromissos de participação que já foram assumidos por vários investidores. A maior “fatia”, de 20,13%, será detida pelo atual presidente executivo, Paulo Fernandes, enquanto o empresário Mário Ferreira deverá ficar com 15,25%. Mediante a informação atual, figurarão como os dois maiores acionistas da empresa.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paulo Fernandes quer TVI de novo na liderança. Aposta no online e em novos mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião