Isabel dos Santos diz que arresto de contas em Portugal impede pagamento de salários

Isabel dos Santos diz que o arresto e o congelamento das suas contas, em Portugal, a impedem de pagar aos trabalhadores, aos fornecedores e ao Estado.

Isabel dos Santos queixa-se que o arresto e o congelamento das suas contas em Portugal impedem o pagamento a trabalhadores, fornecedores e ao Estado. Em comunicado, a empresário salienta que, até ao final de 2019, nenhuma das suas empresas “devia um euro em salários”, situação que agora “passará naturalmente a ser outra” face à referida ação da Justiça lusa.

Na semana passada, as autoridades judiciárias portuguesas ordenaram o congelamento das contas bancárias de Isabel dos Santos, a pedido das autoridades angolanas. Segundo apurou o ECO, mais de dez dessas contas serão do Eurobic e uma delas será do Millennium BCP. Fonte ligado ao processo avançou ainda que em causa estará o processo cível contra Isabel dos Santos em Angola. As autoridades suspeitam que tenha transferido 115 milhões de dólares da empresa petrolífera estatal angolana, a Sonangol, para uma conta numa offshore.

Esta quinta-feira e em comunicado, a empresária angolana explica que este arresto e congelamento das suas contas bancárias bloqueia “todo e qualquer movimento”, impedindo “o funcionamento operacional e normal de qualquer organização”, isto é, colocando em risco o cumprimento do pagamento a trabalhadores, à Autoridade Tributária, à Segurança Social e até a fornecedores.

Isabel dos Santos defende ainda que não podem ser imputadas “às administrações das empresas” responsabilidades “criminais ou outras por falhas de tais pagamentos, já que as mesmas, a ocorrer, não se devem à sua vontade, mas sim ao congelamento das contas bancárias”.

A empresária considera a que este arresto, em Portugal, é “inexplicável e infundado”. Já sobre o arresto das suas contas em Angola, Isabel dos Santos frisa que não está impedido o pagamento de salários, a fornecedores e ao Estado.

(Notícia atualizada às 11h29)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos diz que arresto de contas em Portugal impede pagamento de salários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião