Empresa do Porto otimiza drones para transporte de medicamentos e análises de sangue

  • Lusa
  • 20 Fevereiro 2020

Drone otimizado está instalado na farmácia da Lajeosa do Dão e permite a distribuição dos medicamentos até às associações e lares de idosos.

Uma empresa sediada no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC), designada Connect Robotics, está a desenvolver “uma nova versão” de contentores para, instalados em drones, transportarem medicamentos e análises de sangue, revelou o fundador, esta quinta-feira.

A ideia de explorar a área dos transportes no âmbito dos veículos aéreos não tripulados, (drones) não é de agora. Surgiu há cerca de seis anos, quando Eduardo Mendes e um colega estavam a fazer o doutoramento na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

“Descobrimos que precisávamos de nos focar num setor específico e, depois de analisarmos os vários setores, chegámos à conclusão de que o lugar mais útil destes veículos seria na área do transporte“, explicou, em declarações à Lusa, Eduardo Mendes, adiantando que foi daí que nasceu a spin-off Connect Robotics.

Rapidamente, a empresa nascida e sediada na UPTEC começou a fazer demonstrações de “como estes veículos poderiam ser úteis, seguros e eficientes” no transporte de mercadorias.

“Fizemos uma demonstração nos CTT (Correios de Portugal) de Canelas, de um posto de distribuição até a um cliente, e em Lisboa, de um centro de distribuição em Cabo Ruivo até aos escritórios dos CTT no Parque das Nações. Na mesma altura, também fizemos uma demonstração para a Santa Casa da Misericórdia, onde transportávamos marmitas até idosos que estavam em aldeias”, contou. Foi a partir destas demonstrações que chamaram “à atenção do setor da saúde”, para quem este sistema “é uma necessidade”.

“Fomos contactados pelo diretor da farmácia da Lajeosa do Dão, em Viseu, e foi com ele que estabelecemos o primeiro contrato”, afirmou Eduardo Mendes, acrescentando que “tal não seria possível” sem a autorização da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) e do Infarmed.

Neste momento, o dispositivo, que transporta até um quilo de mercadoria, está instalado na farmácia da Lajeosa do Dão e permite que a instituição faça a distribuição dos medicamentos até às associações e lares de idosos.

Segundo Eduardo Mendes, a equipa da Connect Robotics, que não desenvolve os ‘drones’, mas os otimiza para o transporte, está agora a trabalhar numa “nova versão do contentor”, por forma a “aumentar a sua capacidade”.

À Lusa, o responsável adiantou que, em breve, “vão mostrar os resultados” obtidos através desta tecnologia ao Infarmed, para que possam, futuramente, “alargar o negócio a outras farmácias” do país.

“Na área farmacêutica, em 2018, concorremos ao prémio João Cordeiro, de inovação em farmácia e ganhamos. Chamamos a atenção da Associação Nacional das Farmácias e inclusive, depois disso, outras farmácias entraram em contacto connosco. Por isso, a ideia é, assim que tivermos a autorização do Infarmed, começarmos a trabalhar com outras farmácias”, referiu.

Além da aplicação destes equipamentos ao transporte de medicamentos, a Connect Robotics está também a trabalhar com um hospital de Lisboa para, futuramente, fazer o transporte de análises clínicas.

“Estamos num processo de autorizações, porque em Lisboa, no Porto e em Faro, o processo é mais complicado, por tratar-se de espaços aéreos controlados”, concluiu.

A solução desenvolvida pela Connect Robotics, que emprega três colaboradores, está hoje a ser apresentada na UPTEC no âmbito do TechNorValue, um programa que visa promover a inovação de Pequenas e Médias Empresas (PME) da região Norte.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa do Porto otimiza drones para transporte de medicamentos e análises de sangue

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião