Isabel dos Santos diz que deve à banca 180 milhões de euros e não 571 milhões

Dos 571 milhões de euros pedidos à banca, Isabel dos Santos assegura que já pagou 391 milhões de euros, estando em dívida 180 milhões de euros.

Isabel dos Santos garante que, dos 571 milhões de euros que pediu à banca para financiar as suas empresas, estão “por reembolsar 180 milhões de euros”. Em comunicado, a empresária angolana salienta ainda que, “em nenhum momento”, nenhuma das suas empresas “falhou um único pagamento das prestações desses créditos”.

Este fim de semana, o Expresso avançou que as empresas de Isabel dos Santos têm créditos de 570 milhões de euros junto da banca portuguesa, tendo o Banco de Portugal pedido às entidades que atualizem estes valores, de modo a que não haja “surpresas”.

Em reação, esta quinta-feira, a empresária diz que “em virtude das notícias infundadas que têm circulado” decidiu explicar que, ao longo dos últimos anos, as empresas europeias “maioritariamente” detidas por si “contraíram, em Portugal empréstimos bancários no valor de 571 milhões de euros”.

Desse valor, 391 milhões de euros já foram pagos, garante, estando por reembolsar 180 milhões de euros. “Em nenhum momento, qualquer das minhas empresas falhou um único pagamento das prestações desses créditos (bem como respetivos juros e comissões associados a cada um dos financiamentos”, acrescenta a empresária, em comunicado.

Isabel dos Santos sublinha também que todas as empresas detidas por si que trabalham em Portugal estão registadas no espaço europeu, “não sendo nenhuma destas empresas offshore.

Na mesma nota, a empresária angolana salienta que o arresto e congelamento das suas contas em Portugal — a pedido das autoridades de Angola — impedem o pagamento de salários a trabalhadores, bem como o pagamento a fornecedores e à Segurança Social e à Autoridade Tributária.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos diz que deve à banca 180 milhões de euros e não 571 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião