Exportações do setor automóvel atingiram 13 mil milhões

  • Lusa
  • 20 Fevereiro 2020

"É bom ver que os nossos produtores estão a ter capacidade de ganhar quota de mercado", afirmou Pedro Siza Vieira, salientando que as "exportações crescerem muito significativamente" em 2019.

O ministro da Economia afirmou que as “exportações do setor automóvel tiveram um crescimento muito significativo em 2019, que atingiu os 13 mil milhões de euros”, e elogiou o contributo dado pela Autoeuropa.

“Num momento em que o mercado automóvel em termos mundiais está com algumas incertezas, é bom ver que os nossos produtores estão a ter capacidade de ganhar quota de mercado”, disse Pedro Siza Vieira, durante uma visita à fábrica de automóveis de Palmela (Setúbal), que prevê atingir uma produção total de três milhões de veículos já no próximo mês de abril.

Durante a visita à maior fábrica de automóveis no país, no âmbito de um dia dedicado pelo Ministério da Economia ao setor automóvel, o governante congratulou-se com a entrada de Portugal no clube dos grandes produtores de automóveis a nível mundial.

“Entrámos finalmente no clube dos grandes produtores de automóveis, no clube mais de 300.000 [dos países que produzem mais de 300.000 automóveis por ano]. A Autoeuropa deu um contributo muito significativo. Mais de 74% destes automóveis vendidos para o exterior foram produzidos aqui em Palmela“, disse o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital.

Segundo Pedro Siza Vieira, 2019 “foi um ano muito bom”.

“Todos os produtores de automóveis portugueses cresceram em vendas e, sobretudo, em toda a fileira, não apenas na produção de automóveis, mas também a produção de componentes acabou por ter um ano recorde. As exportações crescerem muito significativamente“, acrescentou Pedro Siza Vieira.

Questionado sobre a necessidade de requalificação da estrada municipal de acesso à Autoeuropa, que ainda se encontra degradada apesar de ter sido objeto de uma intervenção no ano passado, o ministro garantiu que está atento ao problema e em diálogo com a Câmara Municipal de Palmela e com as Infraestruturas de Portugal.

"Todos os produtores de automóveis portugueses cresceram em vendas e, sobretudo, em toda a fileira, não apenas na produção de automóveis, mas também a produção de componentes acabou por ter um ano recorde.”

Pedro Siza Vieira

Ministro da Economia

“Houve uma intervenção na estrada de acesso no ano passado, que melhorou significativamente as condições da mesma. Estamos em diálogo com a Câmara de Palmela e com as Infraestruturas de Portugal no sentido de avaliar de que maneira podemos manter boas condições de acesso à fábrica”, declarou.

Pedro Siza Vieira congratulou-se ainda com o facto de a Autoeuropa estar a utilizar cada vez mais a via férrea para o transporte de viaturas para o Porto de Setúbal, ponto de partida, por via marítima, de grande parte das exportações da fábrica de automóveis de Palmela, o que também contribuiu para aliviar a pressão sobre a estrada de acesso à fábrica.

O diretor-geral da Autoeuropa, Miguel Sanches, que acompanhou o ministro, anunciou que a fábrica deverá aumentar a produção do veículo T-Roc, para corresponder às exigências do mercado, e, simultaneamente, diminuir progressivamente e na proporção inversa a produção dos MPV (Multi-Purpose Vehicle) Volkswagen Sharan e Seat Alhambra.

Miguel Sanches assegurou que a fábrica de Palmela ainda não foi afetada pelos problemas decorrentes do coronavírus Covid-19, apesar de receber componentes de 21 das 250 unidades fabris do grupo Volkswagen na China.

“Neste momento posso dizer que temos as necessidades cobertas a nível de produção e estamos a trabalhar muito próximo com a logística da marca e do grupo, para que não haja interrupções na produção na Autoeuropa”, disse o diretor-geral.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exportações do setor automóvel atingiram 13 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião