Governo acompanha “com interesse e atenção” situação da Efacec

Gabinete do ministro da Economia reage ao alerta lançado por Isabel dos Santos de que o congelamento das contas em Portugal põe em risco o pagamento de salários.

O Governo diz estar a acompanhar “com interesse e atenção” a situação da Efacec, depois de Isabel dos Santos, acionista da empresa, ter alertado que o congelamento das contas em Portugal põe em risco o pagamento de salários.

“A Efacec é uma empresa muito importante, é uma empresa tecnologicamente muito sólida, essencial para o futuro da indústria portuguesa”, começou por dizer fonte oficial do gabinete do ministro Siza Vieira em resposta ao ECO. Para depois acrescentar que “naturalmente, o Governo está a acompanhar a situação [da Efacec] com interesse e atenção”.

A reação do Governo surge depois de a empresária angolana, que detém 66,1% do capital da Efacec que comprou em 2015, através da sua sociedade Winterfell, ter alertado para o risco de haver falhas no pagamento de salários, a fornecedores e ao Estado em resultado da decisão da justiça de arrestar e congelar as suas contas em Portugal.

Foi na semana passada, que as autoridades judiciárias portuguesas ordenaram esse congelamento a pedido das autoridades angolanas. Este arresto foi pedido no âmbito do processo cível contra Isabel dos Santos em Angola e não com o processo-crime que deriva dos documentos divulgados no “Luanda Leaks”.

Após este novo alerta da filha do ex-presidente de Angola, a Efacec reagiu, afastando a existência de possíveis dificuldades da empresa nesse âmbito. Em comunicado disse ter uma “gestão independente” e que “reúne todas as condições para honrar os compromissos acordados com todos os seus colaboradores e fornecedores, não estando colocada a possibilidade de não pagamento de salários ou incumprimento dos seus compromissos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo acompanha “com interesse e atenção” situação da Efacec

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião