Empresa de Isabel dos Santos avança para PER. Empréstimos do BCP e EuroBic em risco

A Creatambitions, que se dedica à atividade de importação, exportação e comércio grossista, entregou pedido de PER na passada terça-feira. Entre os credores da empresa estão o BCP e o EuroBic.

Uma empresa de Isabel dos Santos em Portugal avançou esta semana com um pedido de Processo Especial de Revitalização (PER) junto do tribunal, deixando créditos do BCP e do EuroBic em risco.

A Creatambitions, com sede em Lisboa e que se dedica à atividade de importação, exportação e comércio grossista, entregou na passada terça-feira uma ação junto do Tribunal de Comércio de Lisboa solicitando o acesso ao regime que protege empresas em situação de dificuldades económicas.

Este pedido surge numa altura em que Isabel dos Santos continua sob pressão na sequência do caso Luanda Leaks, que expôs os seus esquemas financeiros em Portugal e que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano utilizando paraísos fiscais. A investigação do consórcio internacional de jornalistas colocou no radar as participações e empresas de Isabel dos Santos. As contas bancárias da filha do ex-Presidente de Angola José Eduardo dos Santos em bancos nacionais estão congeladas a pedido das autoridades angolanas.

É neste contexto que os credores da Creatambitions arriscam a perder dinheiro com o PER. Entre eles, estão dois bancos: o EuroBic, onde Isabel dos Santos ainda é acionista com 42,5% do capital, até ser finalizada a venda da instituição aos galegos do Abanca; e ainda o BCP. Não se conhece ainda o valor dos créditos em causa.

No fim de semana, o Expresso avançou que os bancos portugueses têm uma exposição de, pelo menos, 570 milhões de euros a Isabel dos Santos e às suas empresas. Para evitar surpresas com situações de incumprimento no pagamento dos empréstimos, Banco de Portugal pediu às instituições financeiras para avaliarem se todos os financiamentos à empresária angolana estão cobertos por imparidades de forma adequada. A grande maioria dos empréstimos tem a ver com os investimentos de Isabel dos Santos na Efacec, que também já foi colocada à venda. Segundo a Fitch, havendo lugar a imparidades, a situação é “gerível” para os bancos nacionais.

São ainda credores da empresa a Arcol e o Recheio (da Jerónimo Martins), que estão no negócio de cash & carry de produtos de grande consumo, e ainda a Bimesur, uma companhia internacional que se dedica ao comércio internacional e tem escritórios em Lisboa.

Empresas que se encontrem em situação económica difícil ou em situação de insolvência iminente podem recorrer ao PER, evitando assim a insolvência. No quadro do PER, haverá lugar a negociações entre a empresa e credores para acordar um plano de reestruturação, implicando em muitos casos um perdão de dívida.

O ECO contactou a empresária Isabel dos Santos através da assessoria de imprensa, mas não teve uma resposta até ao momento. Também o BCP foi contactado, mas não comenta.

A Creatambitions é uma das 22 sociedades da empresária angolana em Portugal, segundo a investigação do consórcio internacional de jornalistas. Foi constituída em agosto de 2014. Recentemente, perdeu um dos gestores: Vasco Pires Rites, que renunciou ao cargo de administrador no início de dezembro. Vasco Pires Rites é um dos nomes visados no Luanda Leaks, estando envolvido noutros negócios de Isabel dos Santos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa de Isabel dos Santos avança para PER. Empréstimos do BCP e EuroBic em risco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião