Ana Gomes compara Isabel dos Santos a Al Capone em tribunal. Empresária recorre do “lava que se farta”

Isabel dos Santos recorreu da decisão judicial que deu razão a Ana Gomes no "lava que se farta". Socialista disse que reputação da angolana está "mais perto da de Al Capone do que de Madre Teresa".

Ana Gomes comparou Isabel dos Santos a Al Capone, conhecido gangster americano, durante o depoimento prestado em tribunal no passado mês de dezembro, no processo movido pela empresária angolana por causa dos tweets onde ex-eurodeputada a acusou de “lavar que se farta”. O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa-Oeste acabaria por dar razão a Ana Gomes em meados de janeiro, invocando o “direito à liberdade de expressão”. Isabel dos Santos contestou a decisão e já apresentou, entretanto, recurso na semana passada.

As transcrições do depoimento de Ana Gomes na audiência realizada no dia 17 de dezembro de 2019 constam do recurso apresentado pelo advogado de Isabel dos Santos, Carlos Cruz, na passada sexta-feira, e que foi partilhado no site da antiga diplomata.

Na origem deste processo estão vários tweets nos quais Ana Gomes questionou a origem do património de Isabel dos Santos. Um dos tweets problemáticos foi publicado a 14 de outubro: “Isabel dos Santos endivida-se muito porque, ao liquidar as dívidas, “lava” que se farta!” Este post e outros levaram a empresária angolana a mover um processo exigindo que a socialista apagasse os tweets por considerar que afetavam o seu bom nome. Mas, no entendimento o tribunal, “o direito à liberdade de expressão e de informação da requerida [Ana Gomes] deverá prevalecer sobre os direitos de personalidade (reputação e bom nome) da requerente [Isabel dos Santos], indeferindo-se por isso a providência requerida”.

No recurso contra a decisão do tribunal, para expor que antiga diplomata atacou a honra e o bom nome de Isabel dos Santos, o advogado citou partes do depoimento de Ana Gomes como prova e onde surgem Al Capone e de Madre Teresa de Calcutá come exemplos de má reputação e de boa reputação:

Advogado de Isabel dos Santos: “A senhora diz que há reputações e reputações, portanto há pessoas que têm direito a ver a sua reputação devidamente defendida e há outros que não têm, é isso?”

Ana Gomes: “Não, Senhor Doutor. Há pessoas que têm boa reputação e naturalmente têm todo o direito a defender qualquer reputação. Há boas reputações e há más reputações. Al Capone tem má reputação, não é? A Madre Teresa de Calcutá tem boa reputação. Portanto, quando falo de reputação no caso concreto da Sra. Engenheira, não quero ofendê-la pessoalmente, porque não tenho nenhuma razão pessoal contra a Senhora Engenheira.”

Advogado de Isabel dos Santos: “Não, isso tem.

Ana Gomes:Tenho a obrigação de expor uma pessoa que se vale do sistema financeiro português, da sua supervisão, da sua falta de supervisão para praticar crimes que prejudicam o seu povo, o povo angolano que roubam recursos ao povo angolano.”

(…)

Ana Gomes: “Estamos a falar de uma pessoa que é acionista qualificada em bancos portugueses. Isto não conta para a idoneidade para a avaliação da idoneidade. Podia dar-lhe outros elementos… Portanto, a reputação da Senhora Engenheira é esta: é mais perto da do Al Capone do que da Madre Teresa de Calcutá. Lamento.

No seguimento desta transcrição do depoimento de Ana Gomes no tribunal, o advogado de Isabel dos Santos mostra incredulidade: “Lê-se e não se acredita!”.

Para Carlos Cruz, Ana Gomes “não só agride e ofende publicamente” a empresária angolana “nos seus comentários no Twitter, como assume uma atitude jocosa no seu depoimento que prestou nos presentes autos a dia 17 de dezembro de 2019”. E transcreveu nova passagem do depoimento da antiga eurodeputada:

Ana Gomes:Senhora Juíza, se me permite, penso que obviamente que há aqui uma questão relacionada com a minha liberdade de expressão face à reputação da Senhora Engenheira Isabel dos Santos. É claro que ele há reputações e reputações não é: há a reputação do Al Capone e a reputação da Madre Teresa de Calcutá. A reputação da Senhora Engenheira Isabel dos Santos não é boa, ao contrário do que ela sugere na queixa contra mim. É péssima. Levou, por exemplo, a que bancos americanos recusassem investir na Amorim Energia porque ela é associada, por que ela lá estava…

Face a estas e outras declarações no depoimento, o advogado alega que “salta à evidência que ao contrário do entendimento do tribunal”, a intenção de Ana Gomes “vai muito além da intenção de denunciar hipotéticas práticas criminosas junto das autoridades competentes”, como a socialista tinha argumentado diante da juíza.

Ana Gomes, “com total consciência”, “acusou e imputou a prática de crimes a Isabel dos Santos, sem qualquer fundamento fáctico e legal”, alega a defesa da empresária, concluindo que “é flagrante a violação de direitos de personalidade sem haver necessidade de ponderar entre vários direitos, nomeadamente o direito à liberdade de expressão invocado na sentença recorrida”.

Nesse sentido, a defesa de Isabel dos Santos pede a revogação da sentença do tribunal, substituindo-a por outra que condene Ana Gomes a retirar os tweets que ofendem o bom nome e reputação da angolana e cinco mil euros por cada dia em que os tweets continuem online.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ana Gomes compara Isabel dos Santos a Al Capone em tribunal. Empresária recorre do “lava que se farta”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião