Dona do Pingo Doce dá 137 milhões em prémios aos trabalhadores

A Jerónimo Martins lucrou 433 milhões em 2019 e vai dar 50% aos acionistas. Para os trabalhadores, vão outros 30%.

A Jerónimo Martins vai distribuir 30% dos lucros pelos trabalhadores do grupo. Após apresentar um resultado positivo de 433 milhões de euros de 2019 (mais 7,9% que no ano anterior), o CEO Pedro Soares dos Santos anunciou que 137 milhões serão distribuídos em prémios aos trabalhadores.

Pedro Soares dos Santos anunciou que “30% do lucro é para pagar prémios”, sendo que o montante total representa um crescimento de 24% em relação ao montante pago em 2018.

Questionado sobre a distribuição destes prémios pelos 115.428 colaboradores (mais 6.868 que no final de 2018), o CEO do grupo afirmou que o valor foi fechado esta quinta-feira — dia da publicação dos resultados do ano — pelo que ainda não está definida a distribuição entre cargos de topo e profissionais com salários mais baixos ou mesmo geográfico.

Tendo em conta o total de trabalhadores da empresa, tanto em Portugal como noutras geografias, assumindo uma distribuição idêntica para todos, os 137 milhões poderiam traduzir-se num “cheque” extra de 1.187 euros.

Soares dos Santos explicou que, ao longo do ano passado, 80% dos trabalhadores tiveram aumentos salariais, que 13,6 mil colaboradores foram promovidos e que foram investidos 20 milhões de euros em programas de responsabilidade social interna. “A primeira grande prioridade são as vendas, a segunda as responsabilidades e a terceira os lucros”, sublinhou.

Acionistas recebem 50% dos resultados

A distribuição de prémios aos trabalhadores da Jerónimo Martins, num total de 137 milhões de euros, compara com outros 216,5 mlhões de euros que a empresa liderada por Pedro Soares dos Santos vai entregar, mas aos seus acionistas.

“Em linha com a política de dividendos que estipula um pay-out de 50% (pre-IFRS16), o Conselho de Administração irá propor à assembleia geral de acionistas o pagamento de um dividendo de 216,8 milhões de euros”, revelou a empresa no comunicado de apresentação das contas referentes ao exercício do ano passado. Estes milhões equivalem a um valor de 0,345 euros por ação (valor bruto).

Apesar do valor elevado em dividendos, a empresa que o montante que irá despender “permitirá ao Grupo manter a força do seu balanço e elevada flexibilidade estratégica”.

(Notícia atualizada pela última vez às 13h38 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dona do Pingo Doce dá 137 milhões em prémios aos trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião