Polónia acelera vendas da Jerónimo Martins. Faturou mais de 18,6 mil milhões

As vendas da retalhista portuguesa aceleraram 7,5% em 2019, superando os 18,6 mil milhões de euros. Em Portugal, o negócio pouco cresceu. Mas mercado polaco acabou por ser o principal motor.

As vendas da Jerónimo Martins JMT 1,19% aceleraram 7,5% no ano passado, superando os 18,6 mil milhões de euros, à boleia do crescimento do negócio na Polónia. A retalhista polaca Biedronka viu a faturação aumentar quase 8% para 12,6 mil milhões. Já o negócio no mercado português pouco cresceu, confirmando sinais de maturação e de elevada concorrência.

“Em 2019, a execução bem sucedida das nossas estratégias nos três mercados em que operamos somou 1,3 mil milhões de euros às vendas do grupo, com fortalecimento das posições competitivas”, indicou a Jerónimo Martins em comunicado em enviado ao mercado com as vendas preliminares de 2019.

Além de Portugal e Polónia, a Jerónimo Martins também está presente na Colômbia, onde opera com a marca Ara.

Por mercados, o negócio da Polónia continua a ser o motor de crescimento da retalhista nacional. O volume de negócios da Biedronka atingiu os 12.621 milhões de euros, representando 67% de toda a faturação do grupo. A Biedronka fechou 2019 com uma rede de 3.002 lojas, mais 102 lojas do que no ano anterior. A Jerónimo Martins diz que apesar da nova regulamentação ter restringido a abertura de lojas ao domingo, a “forte dinâmica comercial” aumentou as vendas e a quota de mercado.

Já polaca Hebe, especializada no Bem Estar e Saúde, aumentou as vendas em quase 25% para 259 milhões.

Em Portugal, a Jerónimo Martins opera com as marcas Pingo Doce e Recheio. O Pingo Doce registou um crescimento de 2,9% do volume de negócios, atingindo os 3.945 milhões. “Manteve a boa dinâmica comercial e registou um desempenho positivo no ano, para o qual contribuíram também a inovação na oferta e as melhorias introduzidas na experiência de compra”, justifica o grupo liderado por Pedro Soares dos Santos.

Quanto ao Recheio, as vendas atingiram o marco dos 1.000 milhões de euros, “refletindo a força da proposta de valor da insígnia orientada para os seus clientes profissionais”.

Por fim, no mercado colombiano, a Jerónimo Martins viu a Ara aumentar as vendas em 31% para 784 milhões de euros.

“Em suma, 2019 foi um muito bom ano que nos permitiu fortalecer as nossas propostas de valor nos três mercados em que operamos e beneficiar em pleno de um ambiente de consumo favorável, particularmente na Polónia e na Colômbia”, sintetiza a Jerónimo Martins. “O Grupo, entra, assim, em 2020 com um momentum positivo e determinado a continuar a crescer”, acrescenta.

A Jerónimo Martins apresenta as contas anuais no dia 20 de fevereiro.

(Notícia atualizada às 17h25)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Polónia acelera vendas da Jerónimo Martins. Faturou mais de 18,6 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião