ISEG lança pós-graduação em capital humano e gestão do talento

O novo curso substitui a pós-graduação em gestão de recursos humanos e benefícios sociais, para responder às necessidades atuais do setor de RH em Portugal. As inscrições estão abertas até 9 de março.

O Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG) lançou uma pós-graduação em capital humano e gestão de talento. Este novo curso vem substituir a pós-graduação em gestão de recursos humanos e benefícios sociais, numa versão mais moderna e interativa. O curso é destinado a profissionais que gerem ou vão ter de gerir equipas num futuro próximo. Arranca a 9 de março e as inscrições podem ser feitas até esse dia no site oficial da universidade.

“Criámos um curso que tem como objetivo dotar estes gestores de linha com ferramentas que lhes permitam executar as funções mais nobres daquilo que é a gestão dos recursos humanos”, explica à Pessoas o coordenador da pós-graduação, Paulo Lopes Henriques. A antiga pós-graduação em gestão de recursos humanos e benefícios sociais, “não estava claramente orientada para pessoas que tinham que gerir equipas no dia-a-dia, sobretudo para a nova filosofia do estudo dos recursos humanos. Esta ideia moderna de que quem tem de gerir os recursos humanos, são os gestores de linha, é algo que fica um bocadinho de parte nos cursos que as universidades oferecem”, explica o coordenador.

“A liderança omnipresente”, “sistemas de informação colaborativos em RH”, “gerir talentos na era digital”, “decisões em condições de incerteza e risco” são algumas das disciplinas da nova pós-graduação. “A ideia é preparar um curso que esteja orientado para quem tem que gerir equipas, para quem tem que, no dia-a-dia, atingir resultados através dessas equipas”, sublinha.

"Um dos nossos entendimentos no ISEG é que a função de gestão de recursos humanos nas organizações deve estar acometida aos gestores de linha. Aquilo que normalmente nós chamamos a área de recursos humanos nas empresas, dever ter uma função de consultoria, assessoria dentro da organização destes gestores de linha”

Paulo Lopes Henriques

coordenador da pós-graduação em capital humano & gestão do talento

Atrair talento, desenvolver capital humano e tomar decisões

A nova pós-graduação baseia-se em três vetores: a atração de talento, o desenvolvimento do capital humano e a tomada de decisão. “Criámos um curso que tem como objetivo dotar estes gestores de linha com ferramentas que lhes permitam executar as funções mais nobres daquilo que é a gestão dos recursos humanos“, explica Paulo Lopes Henriques. “Não basta atrair, é preciso depois garantir que o talento continua na equipa e, por isso também as ferramentas de desenvolvimento de capital humano. E, finalmente, a outra linha de orientação nobre de gestão de recursos humanos, que é a capacidade e tomar decisões. Tomar decisões sobre promoções, compensações, exposição a desafios e, para isso, estes gestores tem de ter um manancial de instrumentos que lhes permita suportar a sua tomada de decisão quando a têm de apresentar a instância mais elevadas na organização”, esclarece.

O coordenador do curso garante que qualquer semelhança entre a nova pós-graduação e a gestão de talento, não é coincidência. “Tentámos criar um curso que gere talento, mas ao nível da equipa”, sublinha. “Um dos nossos entendimentos no ISEG é que a função de gestão de recursos humanos nas organizações deve estar acometida aos gestores de linha. Aquilo que normalmente nós chamamos a área de recursos humanos nas empresas, dever ter uma função de consultoria, assessoria dentro da organização destes gestores de linha”, afirma o coordenador.

Espero que este curso consiga atrair mais gestores, de economia, de gestão, marketing, de engenharia. Na prática, que atraia pessoas que estejam a agarrar projetos ou têm de chefiar equipas, com formações completamente diferentes daquelas que tínhamos antes”, remata Paulo Lopes Henriques.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ISEG lança pós-graduação em capital humano e gestão do talento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião