Primeiro caso confirmado de um português com coronavírus. Doente está a bordo do navio Diamond Princess

  • ECO
  • 22 Fevereiro 2020

Doente está a bordo do navio Diamond Princess, que está ao largo da costa japonesa. A notícia está a ser avançada pela TVI.

Foi confirmado o primeiro caso de um português infetado com o novo coronavírus. Segundo a TVI, trata-se de um homem com 41 anos, que está isolado no cruzeiro Diamond Princess, onde trabalha há cinco anos.

Entretanto, este domingo, as autoridade japonesas confirmaram que o português, canalizador no navio Diamond Princess, atracado no porto de Yokohama, deu teste positivo ao coronavírus Covid-19, segundo disse à agência Lusa fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O cidadão português chama-se Adriano Luís Maranhão, é natural da Nazaré, e exerce funções como primeiro canalizador naquela embarcação, que se encontra em quarentena ao largo da costa do Japão, segundo os relatos da estação de televisão de Queluz.

O português está no Diamond Princess desde 13 de dezembro, “e realizou as análises na passada quinta-feira. Soube o diagnóstico por volta das 14:00 deste sábado (hora portuguesa), e está isolado numa cabine do navio”, relata a TVI.

Desde que foi detetado no final do ano passado, na China, o
coronavírus Covid-19 já provocou 2.345 mortos e infetou mais de 76 mil pessoas a nível mundial. A maioria dos casos ocorreu na China, em particular na província de Hubei, no centro do país, a mais afetada pela epidemia.


Além das vítimas mortais no continente chinês, morreram cinco pessoas no Irão, três no Japão, duas na região chinesa de Hong Kong, duas na Coreia do Sul, uma nas Filipinas, uma em França, uma em Taiwan e duas em Itália.

Este sábado foi noticiado precisamente que uma segunda pessoa, com coronavírus Covid-19, morreu em Itália, onde foram identificados mais de 30 casos de contaminação até agora, dos quais 25 na Lombardia (região de Milão).

Esta segunda vítima mortal, que estava hospitalizada há 10 dias, segundo a agência Lusa, é uma mulher italiana residente na Lombardia, onde mais de uma dezena de localidades, com uma população estimada de 50.000 pessoas, estão em quarentena, decretada pelas autoridades, desde sexta-feira.

Em território português ainda não foi detetado nenhum caso de contágio e todos as situações suspeitas até agora foram negativas. Na semana passada, um grupo de 20 pessoas que veio de Wuhan (18 portugueses e duas brasileiras) terminou a quarentena no Hospital Pulido Valente, em Lisboa. Abandonaram a unidade hospitalar sem que lhes tivesse sido diagnosticado qualquer problema.

(Notícia atualizada no dia 23 de fevereiro, com a confirmação oficial)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeiro caso confirmado de um português com coronavírus. Doente está a bordo do navio Diamond Princess

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião