Bolsas americanas recuperam da pior sessão em dois anos

Ações das retalhistas Home Depot e Macy's destacam-se após terem reportado resultados melhores do que o esperado. Wall Street recupera parte das perdas da última sessão.

Num dia em que as bolsas mundiais voltam a ser castigadas pelos receios com o coronavírus, Wall Street iniciou a sessão a recuperar da queda desta segunda-feira, a maior em dois anos, com os três principais índices em alta nos primeiros minutos de negociação do outro lado do Atlântico à boleia dos bons resultados empresariais.

As ações da Home Depot sobem 2,40% para 245,46 dólares depois de ter apresentados vendas e lucros acima do esperado pelo mercado. Outra retalhista americana, a Macy’s soma 2,53% para 15,84 dólares após a quebra no volume de negócios ter sido inferior às expectativas dos analistas.

Ainda no plano empresarial, a HP ganha 4,48% com a fabricante de computadores a anunciar que vai cortar nos custos e recomprar ações, isto enquanto procura um investidor que ajude a defender de uma oferta de 35 mil milhões de euros da Xerox.

É neste cenário que as bolsas americanas estão em terreno positivo, isto depois de na sessão anterior terem destruído os ganhos acumulados ao longo de 2020. Os receios de uma pandemia com o Covid-19 levaram os principais índices de Wall Street a caírem 3%.

Esta terça-feira, porém, iniciaram o dia em retoma: o S&P 500 avança 0,57% para 3.244,25 pontos. O industrial Dow Jones e o tecnológico Nasdaq valorizam 0,59% e 0,92%, respetivamente.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsas americanas recuperam da pior sessão em dois anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião